Dólar recua após ameaça protecionista de Trump

Walter Atushi Niyama
null

Crédito: Wikipedia Commons.

O que começou como um alerta para a economia brasileira, especialmente no setor do aço, acabou tendo um efeito negativo para os americanos. Isso porque o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusou o Brasil de desvalorizar de propósito o real. Por conta disso, ele ameaçou subir as tarifas sobre o aço e alumínio brasileiros.

Mas isso acabou também afetando o dólar, cuja moeda operou em baixa na terça-feira (3 de dezembro), visto que o mercado vê com receio medidas protecionistas. Além disso, Trump aparenta não ter pressa em chegar em um acordo com a China, cuja guerra comercial atinge a economia global.

Ameaças

Não apenas o Brasil, mas também a Argentina foi acusada por Trump de desvalorizar sua moeda de propósito, o que prejudicaria os fazendeiros americanos. Por conta disso, o mesmo tipo de ameaça foi feita ao país vizinho ao gigante da América do Sul.

A França também vê com receio medidas protecionistas aos seus produtos como vinho e queijo. O Escritório do Representante Comercial dos EUA (USTR) sugeriu uma punição tarifaria a um imposto na França sobre serviços digitais, o que afetou empresas americanas do meio como Facebook e Amazon.

Resposta

O presidente Jair Bolsonaro disse que irá tentar contornar a situação, dizendo que possui uma “linha direta” com Donald Trump, mas, apesar do alinhamento político e ideológico que vinha sendo praticado, o discurso de Bolsonaro não está sendo tão otimista, admitindo que pode ter se “enganado sobre o Trump”, caso as tarifas se mantenham em alta.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Sua carteira de investimentos está preparada para aproveitar a retomada de crescimento do Brasil? Essa pode ser a oportunidade da sua vida!

Deixe seus dados abaixo e nossa equipe entrará em contato para lhe ajudar.

Ou se preferir, ligue direto para 4007-2374.