Dólar despenca 1,86% após divulgação da declaração de Bolsonaro

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: Reprodução/Libreshot

O dólar despencou ante o real já na reta final dos negócios no mercado à vista nesta quinta-feira (9), após o presidente Jair Bolsonaro divulgar nota oficial lida no mercado como uma tentativa de pacificação entre os Poderes. Dólar fecha em baixa de 1,86%, a R$ 5,2273, depois de oscilar entre a mínima de R$ 5,1943 e a máxima de R$ 5,3347.

A carta do presidente, escrita após reunião feita com ex-presidente Michel Temer, foi como um suspiro de alívio do mercado. Além do mergulho do dólar, houve uma virada intensa do Ibovespa. E ainda, acomodou a curva de juros, que passou a devolver os riscos político-institucionais nos contratos mais longos.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

O texto, escrito pelo ex-presidente Temer, afirma que Bolsonaro “nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar”.

Antes da nota, a bolsa ainda se mostrava fragilizada pelo agravamento da tensão institucional. Outros fatores de estresse eram os dados fortes de inflação e a mobilização de caminhoneiros.

Leia mais: Alô, câmbio: cenário é de turbulência para o dólar

  • segunda-feira (6): -0,15% a R$ 5,1763
  • terça-feira (7): feriado
  • quarta-feira (8): +2,89% a R$ 5,3261
  • quarta-feira (9): -1,86%, a R$ 5,2273

Nota completa do Presidente Jair Bolsonaro

Declaração à Nação

No instante em que o país se encontra dividido entre instituições é meu dever, como Presidente da República, vir a público para dizer:

1. Nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar.

2. Sei que boa parte dessas divergências decorrem de conflitos de entendimento acerca das decisões adotadas pelo Ministro Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito das fake news.

3. Mas na vida pública as pessoas que exercem o poder, não têm o direito de “esticar a corda”, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia.

4. Por isso quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum.

5. Em que pesem suas qualidades como jurista e professor, existem naturais divergências em algumas decisões do Ministro Alexandre de Moraes.

6. Sendo assim, essas questões devem ser resolvidas por medidas judiciais que serão tomadas de forma a assegurar a observância dos direitos e garantias fundamentais previsto no Art 5º da Constituição Federal.

7. Reitero meu respeito pelas instituições da República, forças motoras que ajudam a governar o país.

8. Democracia é isso: Executivo, Legislativo e Judiciário trabalhando juntos em favor do povo e todos respeitando a Constituição.

9. Sempre estive disposto a manter diálogo permanente com os demais Poderes pela manutenção da harmonia e independência entre eles.

10. Finalmente, quero registrar e agradecer o extraordinário apoio do povo brasileiro, com quem alinho meus princípios e valores, e conduzo os destinos do nosso Brasil.

DEUS, PÁTRIA, FAMÍLIA

Jair Bolsonaro

Presidente da República federativa do Brasil

Orçamento de 2022 deverá ser foco do Congresso

Ainda seguindo o clima político no país, a agenda de votação de outros projetos pode ser prejudicada, de acordo com O Estado de S.Paulo. Com isso, de acordo com o jornal, o foco do Congresso neste restante de ano deverá ser o orçamento para 2022.

*Com BDM e Agência Reuters

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo