Dólar hoje: moeda despenca 3,30%, em dia de ata do Copom e de alta liquidez global

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Jcomp/Freepik

O dólar despencou 3,30% nesta terça-feira (26), ficando com R$ 5,3269.

Na sessão anterior, o dólar fechou em alta de 2,14%, cotado a R$ 5,4790.

Segundo o BDM, o dólar refletiu “a perspectiva de incremento do fluxo externo, em um quadro que já é de elevada liquidez global”.

Conquiste sua Independência Financeira. Conheça os 4 Pilares para Investir

A cotação foi impactada pela a mensagem do Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, que divulgou hoje a ata da última reunião, a 236ª e primeira de 2021, realizada dias 19 e 20 de janeiro.

No documento, o comitê reafirma a decisão de manter a taxa básica de juros, Selic, em 2%. Mas revela que alguns membros já levantaram questionamentos durante esta reunião sobre o início de um “processo de normalização da política monetária, reduzindo o grau extraordinário dos estímulos”.

Forward guidance

Na mesma reunião do Copom, também ficou decidida a retirada do forward guidance.

Entenda o LPA? Um dos indicadores mais representativos em análises fundamentalistas

Segundo o Copom, a ferramenta seria mantida desde que a inflação se mantivesse dentro da meta, no curto e longo prazo, e o regime fiscal não fosse alterado. No entanto, a inflação não se comportou como esperado pelo comitê.

“O Copom avalia que as condições deixaram de ser satisfeitas já que as expectativas de inflação, assim como as projeções de inflação de seu cenário básico, estão suficientemente próximas da meta de inflação para o horizonte relevante de política monetária (2021 e 2022). Como consequência, o forward guidance deixa de existir e a condução da política monetária seguirá, doravante, a análise usual do balanço de riscos para a inflação prospectiva”, afirma.

Boletim Focus

Ontem a Bolsa de Valores não operou, por conta do feriado de aniversário da cidade de São Paulo, mas o Banco Central divulgou seu Boletim Focus de toda segunda-feira.

Nele, o mercado já elevou as expectativas para a Selic, ao final deste ano, de 3,25% da semana passada para 3,50%, e para o ano que vem de 4,5% para 5%.

A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA – a inflação oficial do país) em 2021 foi de 3,43% da semana passada para 3,50% esta semana. Há quatro semanas, a projeção era de alta de 3,34%.

O Produto Interno Bruto (PIB) também teve alta: de 3,45% para 3,49%, voltando ao patamar de quatro semanas atrás.

Já o câmbio foi mantido em R$ 5, o que vem acontecendo por cinco semanas seguidas.

Auxílio Emergencial

O Ministério da Economia já aceita discutir uma nova rodada do auxílio emergencial, desde que condicionada a realização de um acordo com o Congresso para aprovação rápida de medidas de corte de gastos.

No entanto, a decisão só deve ser tomada após eleições para presidência da Câmara e do Senado – marcadas para 1.º de fevereiro –, quando o ministro da Economia, Paulo Guedes, pretende abrir diálogo para a aprovação das medidas.

Os principais candidatos ao comando de Câmara e do Senado são favoráveis à nova rodada do auxílio em meio ao avanço da pandemia.

Isso está forçando o governo a rever os planos, ao mesmo tempo que cresce a pressão para o governo acelerar as negociações para comprar vacinas para imunizar a população e destravar a economia.

*Com BDM

Quer uma assessoria especializada para saber como se proteger das oscilações do mercado cambial? Preencha o formulário abaixo que um assessor da EQI Investimentos irá entrar em contato!