Dólar encerra a semana abaixo dos R$ 5,00, recuo de 2,73%

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O dólar comercial fechou em queda de 2,73%, cotado a R$ 4,99, nesta sexta-feira (5).

A moeda abriu acima dos R$ 5,00 mas cruzou a marca, para baixo, logo depois da divulgação dos dados sobre o mercado de trabalho nos EUA.

Neste mês de junho, a valorização do real frente ao dólar atinge 6,5%.

Estados Unidos surpreendem com a criação de 2,5 milhões de vagas em maio e taxa de desemprego cai a 13,3%.

O setor privado dos EUA criou 3,094 milhões de empregos no mês, enquanto o governo cortou 585 mil postos.

Em vez das 8,5 milhões de vagas a menos projetadas pelo mercado, o resultado foi a criação inesperada de 2,5 milhões de vagas.

“A expectativa do mercado era por milhões de empregos dizimados. E, inesperadamente, foram criados 2,5 milhões de empregos. É uma notícia muito positiva e inesperada”, afirma Pablo Spyer, da Mirae Asset.

Os estímulos dos bancos centrais para as economias também animaram investidores.

O Banco Central da Europa (BCE) anunciou um aumento de 600 bilhões de euros em seu pacote de compra de títulos de dívidas dos governos – quando o mercado esperava por 500 bilhões de euros.

E o governo dos Estados Unidos promete nova ajuda de até US$ 1 trilhão.

Dólar: cenário Interno

O secretário de Política Econômica do Banco Central, Fabio Kanczuk, afirmou que não é consenso dentro do Comitê de Política Monetária (Copom) a redução da taxa Selic para 2,25%.

Isso também tem ajudado a derrubar o dólar.

De acordo com a Reuters, o Banco Central ofertou até 12 mil contratos de swap cambial tradicional para rolagem, com os vencimentos divididos entre setembro de 2020 e fevereiro de 2021.