Após bater máxima na abertura, dólar fecha a R$ 5,04, avanço de 2,17%

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O dólar fechou em alta de 2,17%, cotado a R$ 5,0426, nesta sexta-feira (12), após tombo dos mercados de ontem.

A queda dos mercados foi motivada pelo temor de uma segunda onda de contágios e recuperação econômica mais lenta.

Na abertura, o dólar chegou a bater máxima de R$ 5,1123.

Ontem os mercados tiveram seu “pior dia desde março”, os mercados globais iniciam a sexta-feria (12) com ganhos.

Em Nova York, o Dow Jones ultrapassa os 2%, depois de cair 6,9% ontem.

EUA

Ontem foi divulgado o crescimento de casos de Covid-19 nos EUA, que subiu para 20.486 nas últimas 24 horas.

Conforme a Universidade Johns Hopkins, novos casos de coronavírus estão sendo reportados no Arizona, Carolina do Sul e Texas, durante o processo de reabertura.

Ainda assim, o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin afirmou que os “EUA não podem desligar a economia novamente”, segundo a CNBC.

Os EUA contabilizam 2 milhões de casos de Covid-19 e mais de 100 mil mortes.

A possibilidade da segunda onda de contaminações foi abordada por Jerome Powell, na última reunião do Federal Reserve (Fed), como principal empecilho à retomada da economia e do emprego.

Europa

A Europa segue em alta, apesar da produção industrial ter ficado caído 17,1% na zona do euro em abril. Os dados foram divulgados hoje pelo Eurostat, escritório oficial de estatísticas da União Europeia.

O Reino Unido registrou a maior queda mensal do Produto Interno Bruto (PIB) da história em abril: -20,4%PIB (produto interno bruto) na história do país em abril, segundo o Escritório de Estatísticas Nacionais.

O PIB caiu 20,4% em relação ao mês anterior, uma contração mais acentuada do que os 18,4% esperados pelos analistas.

A Ásia fechou o dia em baixa, repercutindo ainda a véspera ruim dos mercados globais.