Em semana de alta histórica, dólar fecha praticamente estável a R$ 4,193

Weslley Almerindo
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Imagem de Wolfgang Eckert por Pixabay

O dólar comercial fechou o dia praticamente estável, com alta de menos de 0,01% em relação ao dia anterior, a R$ 4,193 na venda. Mesmo estável, valor atual é próximo a sua alta histórica.

Na quinta-feira (21), o dólar já teve leva queda.

Vale lembrar que o dólar divulgado diariamente pela imprensa é o comercial. Para turistas, a cotação do dólar é sempre um pouco maior.

Dólar chegou a cair, mas zerou a queda

O dólar chegou a ensaiar uma queda mais forte nesta sexta-feira, porém a variação perdeu força na tarde do mesmo dia

Desse modo, a moeda americana continua acompanhando seu crescimento no exterior.

As variações ocorreram devido à indicações de fortalecimento da economia americana. Além disso, o presidente americano Donald Trump declarou que um acordo comercial com a China está “muito perto”.

O final do ano para o dólar no Brasil

Especialistas especulam que haverá grande saída da moeda estrangeira no final do ano. Entre os motivos está o pagamento de dividendos por empresas ao exterior.

Analistas do Goldman (o grupo financeiro multinacional) preveem o dólar a R$ 4,15 até o final do ano. Portanto, o dólar deve se manter estável por um tempo.

Banco Central nega impacto na inflação

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, negou que a desvalorização do real frente ao dólar esteja impactando os índices atuais de inflação no país, mas garantiu estar atento para uma eventual necessidade de intervenção no futuro.

“Não houve piora nas expectativas de inflação, que é o que nos importa. Mas se a desvalorização cambial começar a afetar expectativa de inflação, teremos que fazer atuação diferente”, comentou, durante participação em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE) nesta terça-feira (19).


Aproveite as oportunidades e aumente a rentabilidade dos seus investimentos.

Preencha seus dados abaixo e conte com especialistas para ajudar.

Se preferir, ligue direto para 4007-2374