Dólar caro trava as vendas de carros importados

Omar Salles
null

Crédito: Dólar caro inviabiliza sonho do carro importado (Crédito - Divulgação Dodge)

Com a cotação do dólar batendo em R$ 4,50, as marcas importadoras de automóveis estão revendo suas projeções de vendas para 2020 no Brasil.

Em janeiro, a previsão da Associação Brasileira das Empresas Importadoras de Veículos (Abeifa) era de um aumento de 20% nas vendas de carros importados por marcas sem fábricas no País.

Acesse esse material especial para avaliar resultados, performance e dividendos dos melhores FIIs no mercado.

“A cotação do dólar começou o ano em R$ 3,80 e, no segundo mês, já está em R$ 4,50; como podemos fazer planejamentos?”, questiona José Luiz Gandini, presidente da Abeifa e da Kia Motors, maior importadora do País.

Gandini disse que a previsão era de vender 42 mil veículos em 2020, mas hoje a Abeifa não tem projeção. A entidade previa a abertura de 60 concessionárias este ano, mas Gandini não vê chances de isso ocorrer.

Você sabia que algumas das maiores oportunidades de ganhos da bolsa estão nas Small Caps? Quer saber mais sobre essas ações e como investir? 

O setor já teve 850 revendas em 2011, quando foram vendidos 199 mil veículos importados, e hoje tem 419.

Quer começar o dia bem-informado com as notícias que vão impactar o seu bolso? Clique aqui e assine a newsletter EQI HOJE!

O fechamento de lojas se intensificou com a aprovação, em 2012, do programa Inovar-Auto, que impôs alta de 30 pontos porcentuais no IPI de carros feitos fora do Mercosul, que varia de 7% a 25%.

Imposto alto

Desde então, executivos da Abeifa fazem peregrinações a Brasília para discutir a redução do Imposto de Importação, de 35%, mas, segundo Gandini, não há respostas nem mesmo do governo Bolsonaro, que tem agenda liberal e prometia reduzir a alíquota para 20%.

“Esse corte ajudaria a compensar as perdas com a volatilidade cambial e não teria qualquer efeito na balança comercial, pois representamos apenas 1,3% das vendas de veículos no País”, justifica.

Gandini lembra que os importadores empregavam 35 mil funcionários em 2011, número que hoje é de 14 mil. “As novas lojas gerariam cerca de 1,8 mil vagas”, afirmou em entrevista à Agência Estado.

No primeiro bimestre foram vendidos 5.075 carros importados. O número é 2,1% superior ao de igual período de 2019 mas, se a valorização cambial se manter, logo a comparação será negativa.

Segundo ele, a epidemia de coronavírus ainda não afeta os negócios do setor.

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.