Debate sobre privatização atrasa plano de negócios da Eletrobras (ELET3 ELET6)

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Divulgação/Eletrobras

A privatização da Eletrobras (ELET3 ELET6) é uma das grandes prioridades da gestão Bolsonaro no campo econômico neste ano. Mas a incerteza sobre a aprovação do projeto de lei 5.877/2019 ainda em 2020, que prevê a desestatização da companhia, não avançou no Congresso Nacional. Essa indefinição está atrasando o plano diretor de negócios e gestão (PDNG) da estatal para 2020-2024, previsto para começar no fim de 2019, conforme informou o jornal Valor Econômico. 

Segundo fontes ouvidas pelo Valor Econômico, a estimativa de investimentos em 2020 e nos próximos anos, vai depender da celeridade do processo de privatização ainda neste ano. O Conselho de Administração da empresa somente irá aprovar investimentos alinhados com a capacidade financeira atual da companhia, ressaltando que o investimento deve superar R$ 3,5 bilhões do ano passado, mas abaixo do que seria possível se a Eletrobras fosse capitalizada.

Dificilmente, o PL de desestatização da Eletrobras será aprovado em 2020. Isso porque a Câmara ainda vai iniciar a discussão acerca do projeto e que, se aprovado, ainda deve passar pelo Senado. Caso os senadores realizem alguma modificação no texto, o mesmo deve retornar à Câmara para nova deliberação. Além disso, os parlamentares não estarão dispostos a debater um assunto politicamente sensível no 2º semestre, durante as eleições municipais, conforme reportagem do Valor Econômico.