Diretor do Ipea diz que investimento público “não é salvação para o Brasil”

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Ipea

José Ronaldo Souza Júnior, diretor do Ipea, analisou, em entrevista para o site Poder 360, publicada neste sábado (12), o futuro da economia no Brasil.

Na visão do executivo de Estudos e Políticas Macroeconômicas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), a maior contribuição do Executivo federal para acelerar os investimentos é garantir a estabilidade fiscal.

Segundo ele, aumentar a capacidade produtiva exigirá um investimento “muito maior do que o governo conseguiria fazer”.

Por conta disso, para o diretor do Ipea, o “investimento público não é salvação para o Brasil”.

“Para termos de fato um aumento de capital de forma significativa, é necessário um investimento muito maior do que o governo conseguiria fazer. Não adianta, por exemplo a gente ter um aumento muito grande de despesa pública agora. Isso poderia aumentar a incerteza em relação equilíbrio fiscal, o que afastaria ainda mais o investimento privado”, raciocinou.

Ipea cita queda no estoque de capital

O diretor do Ipea ressaltou que os investimentos nos últimos anos foram tão baixos que não conseguiram repor a chamada depreciação do estoque de capital.

“Na comparação de junho de 2020 com o fim de 2016, o estoque de capital caiu 0,92%”, lamentou.

Souza Júnior afirmou que já viu uma recessão semelhante à observada em 2016 no fim do ano passado, e que o problema pode aumentar se o endividamento público crescer.

“Vivemos um momento preocupante de contas públicas, que leva a uma incerteza em relação a investimentos. Então para acelerar os investimentos, é preciso que a gente reduza essa incerteza”.

Como reduzir a incerteza?

Para que isso aconteça, o economista do Ipea enumerou alguns pontos que podem tornar o cenário mais atrativo aos investidores.

  • Gasto público: “Contas públicas sustentáveis ao longo do tempo. Essa é a prioridade mais urgente que temos”;
  • Expectativa de retorno: “Temos que viabilizar o aumento do retorno esperado. Para que isso seja sustentável, a gente precisa melhorar nosso conjunto de regras”;
  • Reformas: “Algumas já estão sendo feitas, como a do saneamento, do gás. Mas também outras reformas como por exemplo a reforma tributária. O foco da reforma tributária não é aumentar a arrecadação, não é equilíbrio fiscal; o foco é aumentar a eficiência da economia.”

Leia também: Estreia da Petz (PETZ3) e alta do setor de serviços: destaques do sábado