Diferenças entre bancos e corretoras: Conheça!

Késia Rodrigues
Colaboradora Independente do Portal EuQueroInvestir e leitora assídua de conteúdos sobre economia e política. Apaixonada por tecnologia, investimentos e viagens.

Crédito: Crédito da imagem: Banco de Imagens EnvatoElements/By brianajackson.

O brasileiro, cada vez mais, tem entendido a importância de investir parte de seu patrimônio, seja para garantir uma aposentadoria mais confortável ou para realizar um sonho há muito esperado.

O problema é que grande parte dessas pessoas, quando começam a investir, acaba procurando de imediato um banco, sem saber que existem outros lugares em que se pode fazer um investimento, tais como as corretoras.

Tanto é verdade, que mais de 80% dos investidores brasileiros têm algum dinheiro guardado em poupança, enquanto pouco mais de 1% aplicam o seu dinheiro na Bolsa de Valores. A principal razão disso é a falta de conhecimento.

Se essas pessoas soubessem as diferenças entre bancos e corretoras, certamente escolheriam mudar o seu dinheiro de lugar, pois as corretoras costumam oferecer uma gama mais ampla de produtos e, consequentemente, rentabilidades maiores.

O nosso objetivo com este artigo não é mostrar que você está errado ou errada quando deixa o seu dinheiro guardado no banco, mas te mostrar que há opções melhores no mercado e que você deve considerá-las.

Continue a leitura para saber as principais diferenças entre bancos e corretoras e saiba como fazer o seu dinheiro render mais.

O que faz um banco?

Crédito da imagem: Banco de Imagens EnvatoElements/By rawf8.

Você sabia que uma das principais funções de um banco é multiplicar dinheiro?

Quando você deixa o seu dinheiro guardado em um banco, seja parado em sua conta corrente ou mesmo em uma conta poupança, aquele dinheiro está sendo utilizado pela instituição para gerar mais dinheiro.

Mas como o banco faz isso? A resposta é simples: por meio das operações de crédito.

O principal objetivo de um banco é ganhar dinheiro com empréstimos, isso por meio dos juros que são pagos pelos clientes. Quando você contrata um crédito pessoal, um financiamento ou um crédito consignado, os juros embutidos na operação são a remuneração do banco (e eles não são nada baixos).

Por outro lado, quando você investe em um banco, essa instituição ficará responsável por pagar juros a você, na forma de rendimentos. Contudo, na grande maioria das vezes, os juros pagos pelo banco aos seus investidores são bem menores do que o cobrado de quem contrata um empréstimo, o que dá origem ao chamado spread bancário.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Percebe que isso pode gerar um grande conflito de interesses para o banco? Ou seja, a instituição precisa de dinheiro para conseguir fazer as suas operações de crédito e, para isso, tem que captá-lo pelo menor preço possível se quiser maximizar o seu lucro.

É por isso que os gerentes de banco costumam ter metas que envolvem algumas péssimas opções de investimentos, tais como a poupança e os CDBs da própria instituição. Quando você “empresta” o seu dinheiro para o banco a juros baixos, de uma coisa pode ter certeza: essa instituição emprestará esse dinheiro a alguém por um valor bem mais alto.

Nesse momento, você deve ter se perguntado? “Se é um negócio tão ruim, então por que as pessoas ainda investem em bancos?”

Em quase 100% dos casos, por conveniência, ou seja, porque o dinheiro já está ali e você já conhece a instituição, como ela funciona e, em alguns casos, até o gerente que cuida da sua conta.

Contudo, essa conveniência pode sair bem cara no seu bolso, principalmente a longo prazo.

O que faz uma corretora?

Agora que você já sabe o que faz um banco, chega o momento de saber um pouco mais sobre as corretoras de investimentos.

Diferentemente dos bancos, as corretoras não podem realizar operações de crédito, ou seja, elas não emprestam dinheiro aos seus clientes em nenhuma hipótese.

Na verdade, podemos entender a corretora como uma espécie de loja, em que as prateleiras estão separadas com produtos de diferentes marcas e diferentes categorias. Assim, ao entrar nessa “loja”, você poderá escolher entre os produtos e comprar aquele que for o melhor.

As corretoras não oferecem produtos próprios, ou seja, você não pode investir em um CDB da corretora ou abrir uma poupança em uma corretora. Na realidade, elas são uma espécie de plataforma que oferece produtos de diversos bancos e instituições financeiras.

Como as corretoras são instituições consolidadas no mercado, algumas com muitos bilhões de reais sob custódia, elas conseguem negociar com os bancos interessados que se interessam em oferecer seus produtos para os clientes dessa corretora. Assim, conseguem disponibilizar produtos melhores do que nos bancos.

Além disso, outra vantagem das corretoras é o baixo custo para quem investe por meio delas, pois na maioria das vezes, o investidor fica isento de taxas e, dessa forma, consegue retornos ainda maiores em suas aplicações.

Crédito da imagem: Banco de Imagens EnvatoElements/By stokkete.

Qual a diferença de se investir em um banco e na corretora de valores?

A principal diferença de se investir por bancos e corretora de valores está no resultado que será obtido em seus investimentos.

Como você viu anteriormente, o objetivo do banco é multiplicar o dinheiro. Para isso, precisa captar pagando o mínimo possível e emprestar cobrando o máximo possível. Assim, quando você vai até o banco procurando opções para investir o seu dinheiro, o gerente tentará fazer com que você invista naquilo que for mais interessante para o banco, o que pode não ser o melhor para você.

Já a forma como as corretoras ganham dinheiro é completamente diferente e não envolve esse conflito de interesses que há nos bancos. Na realidade, elas cobram uma taxa do emissor interessado em oferecer os seus produtos por meio de sua plataforma. Ou seja, a corretora, em nenhum momento, irá ficar com o seu dinheiro para tentar multiplicá-lo.

Outra diferença está na quantidade de produtos que estão disponíveis em nessas duas instituições.

Usando aquela analogia da loja, citada anteriormente, vamos imaginar como seriam as lojas do banco e da corretora se elas pudessem existir em um shopping.

Na loja da corretora, as prateleiras seriam divididas em segmentos como renda fixa e renda variável. Além disso, essas prateleiras estariam repletas de produtos de diversas marcas e você poderia escolher aqueles entre várias marcas, tamanhos e modelos.

Já a loja do banco seria parecida com aquelas lojas em que você encontra apenas produtos de uma marca só. Apesar de as prateleiras também serem divididas em renda fixa e renda variável, elas estariam repletas dos mesmos produtos, o que limitaria bastante a sua liberdade de escolha.

Crédito da imagem: Banco de Imagens EnvatoElements/By rawf8.

Por fim, outra diferença está na forma como essas instituições se relacionam e tratam os seus clientes. No geral, em um banco você é atendido por um gerente que, na maioria das vezes, também é responsável por atender centenas de outros clientes da instituição.

Por conta disso, dificilmente esse gerente poderá dispensar um tempo maior para te ajudar a montar uma carteira de investimentos que realmente seja compatível com o seu perfil de investidor e com os seus objetivos.

Por outro lado, algumas corretoras contam com o serviço gratuito de assessoria de investimentos. Trata-se de um profissional, especialista no mercado financeiro, que estará a sua disposição 24 horas por dia e sete dias por semana. Por isso, esse assessor atenderá um número menor de clientes, quase sempre algumas dezenas.

Isso permite que o assessor faça um acompanhamento mais próximo de cada um de seus clientes, o que envolve identificar o perfil de investidor com mais exatidão e auxiliar na montagem de uma carteira de investimentos focada no objetivo de cada um.

Quais são os riscos de se investir em bancos e corretoras?

O risco é algo inerente ao investimento, tanto que os perfis de investidores são baseados nele. Cada tipo de investimento possui o seu grau de risco, que equivale ao retorno que ele pode oferecer.

Um dos maiores riscos de se investir nos bancos é o de haver a quebra da instituição bancária. No entanto, esse risco pode ser mitigado quando você deixa o seu dinheiro em aplicações protegidas pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito).

Já no caso das corretoras, como os produtos são registrados no CPF do cliente, caso ocorra a quebra da instituição, basta que você faça a troca do seu agente custodiante. Ou seja, o processo é bem mais simples.

Como escolher uma corretora de valores para os seus investimentos

Ao ler até aqui, você já deve ter compreendido que investir o seu dinheiro por meio de uma corretora é uma opção bem mais vantajosa do que investir por meio de um banco.

Assim, você deve ter se perguntado: “qual é a melhor corretora do mercado?” ou “onde devo investir o meu dinheiro?”

Bem, isso depende de uma série de fatores, pois não há uma “melhor corretora” para sempre ou mesmo um investimento infalível no mercado atualmente.

É importante que você separe algum tempo para comparar as corretoras, pois cada uma delas oferece uma gama de produtos e serviços diferentes. Algumas, por exemplo, cobram menos taxas de seus clientes ou mesmo contam com taxa zero. Outras oferecem serviços gratuitos como a assessoria de investimentos, o que é ótimo para quem prefere investir com a opinião de uma especialista no mercado.

Com uma concorrência cada vez mais forte por parte das corretoras, os bancos têm se reinventado nos últimos anos e alguns já passam a oferecer uma gama maior de produtos e permitem aplicações de outros bancos em suas plataformas.

Essa concorrência é bastante benéfica para você que quer investir, pois força as instituições bancárias a oferecer produtos cada vez melhores se quiserem continuar competitivas.

Agora que você já sabe as diferenças entre bancos e corretoras, que tal aproveitar e fazer um diagnóstico de suas atuais aplicações? Utilize o formulário ao final dessa página para falar com a EuQueroInvestir.

Um assessor de investimentos entrará em contato em seguida para conversar sobre investimentos e propor mudanças que poderão aumentar o rendimento de sua carteira atual.

Esperamos que esse conteúdo tenha sido útil e que você possa sempre fazer o melhor investimento.

Se considera um investidor conservador? Então você está em risco de extinção!

O cenário econômico virou do avesso e o país já não é mais o mesmo.

As taxas de juros caíram à níveis jamais vistos no Brasil desde o final do governo Militar (imagem abaixo) e levaram os rendimentos de Renda Fixa para próximo de Zero (ou negativos no caso da poupança).

Italian Trulli

A nova equipe econômica está incentivando novos investimentos no país, e com isso já não é mais possível ganhar dinheiro confortavelmente na poupança e em CDBs comuns. Por isso, estamos declarando a Extinção do Investidor Conservador.

Se você faz parte dessa espécie de investidor que está em risco de extinção, confirme seus dados no formulário abaixo e fale com nossa equipe. Vamos te ajudar, sem dor e sem custo.