Concorrentes questionam oferta da Stone pela Linx; confira mais notícias

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Flickr

Empresas de meios de pagamento devem se unir para questionarem junto ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) a oferta da Stone pela Linx, informa o Estadão. Elas alegam que a compra poderá impor barreiras à concorrência, sobretudo no pequeno varejo.

Entenda a disputa pela Linx.

Pandemia reduz lucro das distribuidoras de energia

A Abradee, que reúne 40 distribuidoras do país, estima uma redução média entre 20% e 25% no Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) das distribuidoras de energia elétrica, devido à crise do coronavírus.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Para reequilibrar as contas, o consumidor pode ter que arcar com aumento de 2,5% a 3% nas contas de luz, informa o Valor.

Retomada em V provoca falta de insumos para a indústria

As indústrias vêm relatando o desabastecimento de alguns insumos industriais, como PVC e papelão, informa o Valor. Isto se deve pelo descolamento entre oferta e demanda na retomada da economia. Como alguns setores tiveram recuperação em V, a produção não acompanhou as encomendas.

Consórcio pode bancar proposta pela Oi, diz presidente da Claro

Em entrevista ao Valor, o presidente da Claro Brasil, José Félix, afirmou que o consórcio formado por Vivo, Claro e TIM têm condições de arcar com os R$ 16,5 bilhões da proposta pelos ativos de telefonia móvel da Oi. Para ele, a aquisição livrará o país de “aventureiros” que possam apresentar nova proposta.

O Globo afirma que a Oi planeja mudar seu modelo de negócio, apostando na venda de serviços e produtos digitais em um grande marketplace. A ideia é aproveitar a aproximação do cliente que contrata a fibra ótica e oferecer alternativas diversas, como sistemas de segurança e serviços financeiros.

Anima também quer a Laureate

Segundo o Valor, o grupo Ânima também está interessado na aquisição da Laureate, além de Ser Educacional e Yduqs. A Ser já apresentou sua proposta, considerada pouco interessante. As outras duas têm até 13 de outubro para fazer a oferta formal.

Pandemia atrasa nomeações nas agências reguladoras

As agências reguladoras têm hoje 40% das vagas de diretoria ocupadas por interinos ou em aberto. Há 14 meses nenhum novo diretor toma posse. Há atraso nas indicações do executivo e na análise dos nomes pelas comissões do Senado, paralisadas pela pandemia.
De 11 agências, sete funcionam com presidentes substitutos, afirma o Valor.

Cemig quer desenvolver projetos renováveis

A Cemig, estatal mineira que tem portfólio concentrado na fonte hidráulica, quer desenvolver projetos próprios em energias renováveis, informa o Valor. “Já temos o cliente. Estamos alternado a estratégia de comprar energia de terceiros para desenvolver energia própria”, afirmou o presidente da empresa, Reyaldo Passanezi, em reunião com investidores e analistas.

MRV quer ampliar número de corretores

A incorporadora pretende multiplicar por cinco o número de corretores que vendem seus produtos. Para tanto, aposta em plataforma digital de vendas. Até mesmo quem não for corretor pode participar, para recomendar compradores. A empresa comercializa todo tipo de imóvel, mas deve se beneficiar especialmente daqueles incluídos no programa federal Casa Verde Amarela.

PDV da Volks oferece 20 salários adicionais

O programa de demissão voluntária (PDV) da Volkswagen prevê 20 salários adicionais à tabela base e já foi aprovado em duas fábricas: em São Bernardo do Campo (SP) e em São José dos Pinhais (PR). Esta semana acontecem votações em Taubaté (SP) e São Carlos (SP). Segundo os sindicatos, a empresa pretende eliminar um terço dos cerca de 15 mil funcionário do país.

Atualização Covid-19

Mais 1.090 mortes por coronavírus foram registradas nas últimas 24 horas, de acordo com o consórcio de veículos de imprensa, chegando a um total de 133 mil mortes.

As novas infecções somam 34,8 mil, de um total de 4,38 milhões.