Rumo antecipa pagamento por ferrovias; confira mais notícias

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Flickr

A Rumo (RAIL3) decidiu antecipar para esta terça-feira (15) um pagamento de R$ 5,1 bilhões à União, referente a parcelas pelas concessões da Malha Paulista e da Ferrovia Norte-Sul.

Com isto, a empresa quita 85% do que deve ao governo e se livra das correções das parcelas prevista nos contratos, aponta o Valor.

AES deve lançar plataforma para “varejo” de energia

A AES Brasil vem apostando no desenvolvimento de soluções digitais. Em breve, ela deve lançar uma plataforma para vendas no varejo do setor elétrico, de olho nos consumidores de menor porte que poderão migrar para o mercado livre nos próximos anos, diz o Valor.

Faça você mesmo o rebalanceamento de sua carteira de investimentos

Créditos tributários podem reduzir tarifas de energia

As revisões tarifárias das distribuidoras de energia podem ter alívio significativo na conta dos consumidores.

Isto porque créditos tributários conquistados a partir de decisões judiciais, que excluem a alíquota de ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins, podem ser devolvidos integralmente na conta de luz, se assim a Aneel decidir. Segundo cálculo da TR Soluções, os créditos podem chegar a R$ 51,2 bilhões.

BP projeta declínio do petróleo no mundo

De acordo com o estudo Energy Outlook 2020, da petroleira britânica BP, a demanda global por petróleo pode já ter atingido o seu pico e nunca mais recuperar os patamares anteriores à pandemia de Covid-19.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Mesmo com o provável declínio no consumo do petróleo, a BP acredita que a produção brasileira crescerá de forma acelerada nas próximas décadas, mas as energias renováveis tendem a ganhar mais espaço.

Justiça homologa acordo entre Vale e AGU

O acordo entre a Advocacia Geral da União (AGU) e a Vale (VALE3) de R$ 250 milhões em multas ambientais pelo acidente em Brumadinho foi homologado pela Justiça.

Disputa pela Linx: Stone aponta riscos de concentração de mercado

Em novo capítulo na disputa pela Linx (LINX3), a Stone encomendou a três economistas especializados em questões concorrenciais pareceres que apontam risco de concentração no mercado de software para o varejo, caso a empresa vá parar nas mãos da Totvs (TOTS3).

Monitore completamente sua Carteira

Com isto, a Stone pretende mostrar aos acionistas que fechar negócio com a Totvs significará um longo caminho de aprovação junto ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Entenda a disputa pela Linx.

BNDES estuda emitir LCA para financiar agro

O governo quer que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) possa emitir Letras de Crédito do Agronegócio (LCA) para reforçar o financiamento ao setor agropecuário e agroindustrial.

A intenção é que R$ 70 bilhões acumulados ao longos dos anos em empréstimos repassados pelas instituições financeiras credenciadas aos produtores e empresas do campo possam servir de lastro para a emissão do título pelo banco de fomento federal.

Aéreas avaliam financiamento do BNDES

Depois de cinco meses de discussão, o socorro do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) às companhias aéreas começa a sair do papel. A Azul informou no domingo que recebeu uma proposta final do banco.

A Gol (GOLL4) está finalizando a avaliação da proposta. Segundo o Estadão, a linha de crédito seria de R$ 2 bilhões, sendo 60% garantidos pelo BNDES, 10% por instituições financeiras privadas e 30% captados em oferta pública.

A Latam, em recuperação judicial nos EUA, ainda está em negociação com o BNDES, informa o Valor.

Atualização Covid-19

O Brasil ultrapassou ontem a marca de 132 mil mortes por coronavírus, segundo o consórcio dos veículos de imprensa. Foram registradas nas últimas 24 horas mais 454 mortes.

Os novos casos são 19,4 mil, dando um total de 4,35 milhões de infectados desde o início da pandemia.