Desigualdade exposta pelo IR e fuga de investidor: destaques do domingo

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Foto: Filipe Castilhos/Sul21.com.br

O jornal Folha de S.Paulo priorizou entre os destaques de sua capa deste domingo (20) uma matéria sobre a desigualdade de rendimentos na população do País.

De acordo com a principal manchete do jornal, as declarações de Imposto de Renda Pessoa Física escancaram a elevada concentração salarial nos funcionários públicos federais em relação ao resto da população.

A reportagem da Folha fez um levantamento apontando que apenas uma pequena parcela de brasileiros – 14,4% – declara Imposto de Renda no País.

Confira principais Ações para investir em Outubro

O material revelou ainda que o Brasil tem uma das mais elevadas cargas dos emergentes, onerando pelo consumo os mais pobres.

Pela quantidade de servidores em Brasília, apontou a reportagem, o Distrito Federal tem o rendimento mais alto das 27 unidades da Federação.

Segundo o levantamento, na população total o número chega a R$ 2.981,00 mensais, ante R$ 1.228,00 da média encontrada no restante do País.

Os dados levantados pela FGV Social a partir do IRPF de 2018 mostrou ainda que o DF tem a maior faixa de declarantes do Brasil, com 24,8%.

Fuga de investidor estrangeiro entre os destaques do Estadão

A principal matéria do jornal O Estado de S.Paulo deu foco na disputa eleitoral pela Prefeitura de São Paulo, que atualmente tem Celso Russomano (Republicanos) na liderança da pesquisa de intenção de votos, seguido por Bruno Covas (PSDB) e Guilherme Boulos (PSOL).

Entre os principais destaques, no entanto, está uma matéria sobre a fuga dos investidores estrangeiros do País.

De acordo com a reportagem, desde 2015, a participação de estrangeiros nos títulos de dívida pública despencou.

Os números apontam que a queda foi de 20,8% para apenas 9%.

A matéria do Estadão pontuou que a situação se agravou ainda mais por conta da pandemia da Covid-19, e que este cenário impõe mais dificuldades ao Tesouro, pois esse tipo de investidor, no geral, busca por títulos de vencimentos com longo prazo.

Pandemia entre destaques de O Globo e do Estadão

A pandemia de coronavírus, aliás, também foi assunto de outra reportagem de capa do Estadão.

De acordo com o jornal, as empresas entrevistadas para uma pesquisa apontaram que alguns dos cenários criados pela crise serão duradouros mesmo após o fim do surto da Covid-19.

Entre eles, segundo a matéria, está a alta do consumo ligado aos cuidados com a saúde.

O jornal O Globo, por sua vez, retratou os cuidados do continente europeu com a possível “Segunda Onda” de coronavírus na área.

A matéria do diário carioca citou que a Organização Mundial da Saúde (OMS) já considera o cenário alarmante e que os países já estão tentando conter o novo surto da Covid-19, mas sem estabelecer quarentenas nacionais tão rígidas.

Zero Hora “culpa” pandemia por queda histórica do PIB no RS

O Zero Hora, mais tradicional jornal do Rio Grande do Sul, destacou em sua edição deste domingo a histórica queda do Produto Interno Bruto (PIB) da região.

De acordo com o diário, a “culpa” pela queda, que atingiu 13,7% no segundo trimestre – na comparação com os três primeiros meses do ano -, é da pandemia de coronavírus.

O Zero Hora apontou ainda que, no comparativo com os mesmos meses do ano passado, o tombo foi ainda maior na economia dos gaúchos: 17,1%.

Leia também: MME avalia incluir diesel verde na política energética