Deputados cobram emendas parlamentares da Reforma da Previdência

Luiza Carvalho Lemos Branco
null

Apesar da promulgação da Reforma da Previdência semana passada, as emendas parlamentares prometidas aos deputados ainda não foram liberadas. Deputados ameaçaram não votar pautas de interesse do governo se as emendas não saíssem. Muito pressionado, o presidente Jair Bolsonaro se comprometeu ontem (20) a se reunir com o Ministro da Economia Paulo Guedes para acelerar a liberação das emendas.

As negociações entre o grupo de deputados e a presidência é feita pelo Ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos. O deputado Paulinho da Força, do Solidariedade e participante das negociações reclamou ao Congresso em Foco que “o ministro tem tido boa vontade e está tentando ajudar. Mas é um governo em que não se sabe quem manda. Os ministros não conseguem tocar as negociações”.

A primeira medida a sofrer com a pressão deve ser a medida provisória (MP 890/2019) que cria o programa sucessor do Mais Médicos, o Médicos pelo Brasil. Há um mês na pauta, a MP perderá a validade se não for votada por deputados e senadores até a quinta-feira da próxima semana. “Vence dia 28? Esquece, vai caducar”, afirma Paulinho.

A liberação das emendas não é o único motivo de insatisfação dos deputados. Um deputado ouvido pelo Congresso em Foco explica que parlamentares têm tido dificuldade de acesso nos ministérios. “Nós queremos receber um mínimo de atenção. Ser recebido por um ministro, poder levar um prefeito, encaminhar alguma demanda de nossas bases. Mas não encontramos abertura para isso”.