Demanda por bens industriais cresceu 5% em julho, aponta Ipea

Giovanna Castro
Jornalista formada pela UNESP.
1

Crédito: Divulgação

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou nesta quinta-feira (10) os dados do seu Indicador de Consumo Aparente de Bens Industriais, que mostrou crescimento 5% no mês de julho na comparação mensal com junho.

No entanto, na comparação com o mesmo período de 2019, o indicador apresentou queda de 12,1% na demanda por bens industriais, considerando a produção para comercialização interna e exportações.

“Entre os componentes do consumo aparente, enquanto a produção de bens nacionais teve alta de 5,4% em julho, a importação de bens industriais recuou 2,2%”, explicou o Ipea.

Conquiste sua Independência Financeira. Conheça os 4 Pilares para Investir

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

Dados por categoria de bens industriais

“Na análise das grandes categorias econômicas, o bom desempenho foi generalizado em julho”, indicou o instituto.

Na análise setorial, 17 dos 22 segmentos avançaram, com destaque para veículos automotores (37,7%) e máquinas e equipamentos (23,2%).

A demanda por bens de consumo duráveis foi a que mais cresceu, subindo 27%.

Já o consumo aparente de bens de capital, um dos componentes da formação bruta de capital fixo (FBCF), aumentou 5,8%, indicando recuperação nos investimentos em julho.

Os bens intermediários tiveram alta de 4,2%. Em relação a 2019, porém, todos os segmentos apresentaram queda.

A procura por bens industriais de transformação teve alta de 6,3% em julho ante junho. Já a indústria extrativa mineral, apresentou recuo de 18,2% na margem após forte crescimento no período anterior.

No entanto, mais uma vez, o crescimento geral não foi suficiente para se equiparar a julho de 2019.

Somente cinco segmentos apresentaram números maiores do que os do ano passado, entre eles o de metais (3,9%) e de alimentos (0,9%).

O acumulado em 12 meses até julho também fechou em queda (-5,5%) e a produção industrial acumulou perda de 5,7%, segundo Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física, medida pelo IBGE.

“Devido à postergação da divulgação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do IBGE, com data para o final de setembro, o Grupo de Conjuntura do Ipea ainda não publicou o Indicador Mensal de FBCF referente a julho, pois não foi possível acessar informações necessárias para o cálculo do componente construção civil”, completou a nota do instituto.

Aumente seus ganhos. Consulte nossa Planilha de Monitoramento de Carteira