Demanda por bens industriais cresceu 5% em julho, aponta Ipea

Giovanna Castro
Jornalista formada pela UNESP.
1

Crédito: Divulgação

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou nesta quinta-feira (10) os dados do seu Indicador de Consumo Aparente de Bens Industriais, que mostrou crescimento 5% no mês de julho na comparação mensal com junho.

No entanto, na comparação com o mesmo período de 2019, o indicador apresentou queda de 12,1% na demanda por bens industriais, considerando a produção para comercialização interna e exportações.

“Entre os componentes do consumo aparente, enquanto a produção de bens nacionais teve alta de 5,4% em julho, a importação de bens industriais recuou 2,2%”, explicou o Ipea.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

Dados por categoria de bens industriais

“Na análise das grandes categorias econômicas, o bom desempenho foi generalizado em julho”, indicou o instituto.

Na análise setorial, 17 dos 22 segmentos avançaram, com destaque para veículos automotores (37,7%) e máquinas e equipamentos (23,2%).

A demanda por bens de consumo duráveis foi a que mais cresceu, subindo 27%.

Já o consumo aparente de bens de capital, um dos componentes da formação bruta de capital fixo (FBCF), aumentou 5,8%, indicando recuperação nos investimentos em julho.

Os bens intermediários tiveram alta de 4,2%. Em relação a 2019, porém, todos os segmentos apresentaram queda.

A procura por bens industriais de transformação teve alta de 6,3% em julho ante junho. Já a indústria extrativa mineral, apresentou recuo de 18,2% na margem após forte crescimento no período anterior.

No entanto, mais uma vez, o crescimento geral não foi suficiente para se equiparar a julho de 2019.

Somente cinco segmentos apresentaram números maiores do que os do ano passado, entre eles o de metais (3,9%) e de alimentos (0,9%).

O acumulado em 12 meses até julho também fechou em queda (-5,5%) e a produção industrial acumulou perda de 5,7%, segundo Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física, medida pelo IBGE.

“Devido à postergação da divulgação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do IBGE, com data para o final de setembro, o Grupo de Conjuntura do Ipea ainda não publicou o Indicador Mensal de FBCF referente a julho, pois não foi possível acessar informações necessárias para o cálculo do componente construção civil”, completou a nota do instituto.

Aumente seus ganhos. Consulte nossa Planilha de Monitoramento de Carteira