Demanda global por frete aéreo caiu 17% em junho, diz IATA

Osni Alves
Jornalista (2007); Especializado em Comunicação Corporativa e RP (INPG, 2011); Extensão em Economia (UFRJ, 2013); Passou por redações de SC, RJ e BH (oalvesj@gmail.com).
1

Crédito: Demanda global por frete aéreo caiu 17% em junho, segundo associação

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) divulgou dados para os mercados globais de frete aéreo em junho.

O levantamento mostra melhorias, mas em ritmo mais lento do que sugerem alguns dos indicadores tradicionais.

Conforme a pesquisa, a demanda global caiu 17,6% em junho (-19,9% para operações internacionais) em comparação com igual período do anterior.

BDRs| Confira os papéis disponíveis para Investimentos

Essa é uma melhora modesta em relação à queda de 20,1% registrada em maio.

Demanda global por frete aéreo caiu 17% em junho, segundo associação

Fretamento aéreo de cargas.

Capacidade global

Já a capacidade global diminuiu 34,1% em junho (-33,9% para operações internacionais) em comparação com igual período do ano anterior.

Isso foi semelhante à queda de 34,8% em maio.

Capacidade de barriga

A capacidade da barriga para carga aérea internacional encolheu 70% em junho em relação ao ano anterior devido à retirada dos serviços de passageiros em meio ao Covid-19.

Isso foi parcialmente compensado por um aumento de 32% na capacidade através do uso expandido de aeronaves de carga.

Demanda global

De acordo com a IATA, a demanda global de fabricação estabilizou em junho.

Isso porque o novo componente de pedidos de exportação do PMI subiu 11 pontos em relação a maio, o maior aumento mensal desde que a série começou em 1999.

O PMI que rastreia a produção industrial global recuperou em junho para o nível mais alto desde janeiro.

Desafio excepcional

CEO da IATA, Alexandre de Juniac disse que a carga é, de longe, mais saudável do que o mercado de passageiros, mas fazer negócios continua sendo um desafio excepcional.

Embora a atividade econômica esteja reiniciando após grandes interrupções de bloqueio, não houve um grande aumento na demanda.

A corrida para levar equipamentos de proteção individual (EPI) ao mercado diminuiu à medida que as cadeias de suprimentos se regularizaram.

Isso permitiu que os transportadores usassem opções marítimas e ferroviárias mais baratas.

Já a restrição de capacidade continua, porque as operações de passageiros estão se recuperando muito lentamente.

Desempenho regional de junho

Segundo a IATA, todas as regiões registraram quedas em junho.

As companhias aéreas da Europa e da América Latina sofreram as quedas mais acentuadas no crescimento anual do volume total de frete aéreo.

Já as companhias aéreas da Ásia-Pacífico e Oriente Médio sofreram quedas um pouco menos dramáticas.

As companhias aéreas da América do Norte e da África tiveram quedas mais moderadas em comparação com as outras regiões.

Demanda global por frete aéreo caiu 17% em junho, segundo associação

Frete de cargas internacionais.

Carga aérea internacional

As companhias aéreas da Ásia-Pacífico viram a demanda por carga aérea internacional cair 20% em junho de 2020 em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Houve uma ligeira deterioração em relação à queda de 18,8% em maio. Apesar da produção começar a aumentar na região, a demanda foi impactada pela redução nos embarques de EPIs por via aérea. A capacidade internacional diminuiu 32,3%.

Transportadoras norte-americanas

As transportadoras norte-americanas registraram uma queda de um dígito na demanda internacional de carga de 8,8% ano a ano em junho.

Essa foi a menor contração de todas as regiões. O desempenho resiliente é devido às grandes frotas de cargueiros de algumas das companhias aéreas da região, bem como ao apoio fiscal às companhias aéreas nos EUA a partir da Lei CARES. A capacidade internacional diminuiu 30,7%.

Transportadoras europeias

As transportadoras europeias registraram queda anual de 27,6% no volume internacional de cargas em junho.

Essa foi uma pequena melhora em relação ao desempenho de maio (-29,5%), mas ainda é o segundo desempenho mais fraco de todas as regiões.

A capacidade internacional diminuiu 40,7%

Transportadoras do Oriente Médio

As transportadoras do Oriente Médio registraram queda de 19,1% em relação ao ano anterior em junho, uma melhora em relação à queda de 24,9% em maio.

A capacidade internacional diminuiu 25,8%, a melhor de todas as regiões.

Isso foi impulsionado pelas estratégias operacionais agressivas de algumas das transportadoras da região.

Transportadoras latino-americanas

As transportadoras latino-americanas registraram uma queda de 29,4% na demanda internacional em junho.

Esse foi o desempenho mais fraco de todas as regiões. A capacidade internacional diminuiu 43,6%, indicando uma redução considerável da capacidade.

A crise do Covid-19 atualmente é particularmente desafiadora para as companhias aéreas com sede na América Latina devido a medidas estritas de bloqueio.

Companhias aéreas africanas

As companhias aéreas africanas registraram contração de 13,8% em junho.

Esse desempenho foi mais fraco que a queda de 7,3% na demanda em maio.

O pequeno mercado África-Ásia continuou crescendo em junho, com alta de 20,1%.

No entanto, a região sofreu com os efeitos da pandemia que se tornaram mais graves em junho. A capacidade internacional nessa região diminuiu 46,2%.