Governo propõe meta de déficit fiscal de R$ 170,4 bi para 2022

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução / Freepik

O Brasil terá déficit fiscal primário pelo nono ano consecutivo, segundo proposta enviada pelo Ministério da Economia no projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), nesta quinta-feira (15).

Segundo consta no projeto da LDO do Governo Federal, a meta de déficit primário será de até R$ 170,4 bilhões para 2022, indicando que o valor gasto será acima da arrecadação.

O governo do Brasil vem registrando rombos nas contas do governo desde 2014 e, de acordo com o que foi divulgado hoje, a situação não será alterada em breve.

Segundo o Ministério da Economia, as contas ficarão no vermelho em 2023 e, também, em 2024, com déficit fiscal estimado de R$ 144,971 bilhões e R$ 102,203 bi, respectivamente.

Coronavírus e o déficit fiscal

Em 2020, com os gastos extras voltados para tentar, sem sucesso, conter a pandemia do novo coronavírus, o déficit fiscal do governo chegou a R$ 743,08 bilhões, de acordo com a secretaria do Tesouro Nacional.

Esse foi o pior resultado registrado pelo País desde que a série histórica passou a ser contabilizada, em 1997.

O déficit proposto para esse ano é de R$ 247,11 bilhões, mas a nova rodada do auxílio emergencial e a reedição de programas como o BEm e o Pronampe deve fazer os números subirem ainda mais.

PIB/Inflação

O governo também divulgou as novas projeções para o PIB e para a inflação nos próximos anos.

Em relação ao Produto Interno Bruto, a estimativa de 2021 é de alta de 3,2%, e de 2,5% para o ano que vem.

A inflação medida pelo IPCA deve ficar em 4,4% neste ano (e em 4,3% para o INPC), caindo para 3,5% em 2022.

Já a meta central de inflação está em 3,75% para 2021, e não deve oscilar se ficar entre 2,25% e 5,25%. Para 2022, a previsão de 3,5% não oscila se ficar entre 2% e 5%.

Crescimento de 2,5% em 2022

A economia brasileira deverá crescer 2,5% no próximo ano, depois de crescer 3,2% em 2021. A estimativa consta do Projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) 2022, enviado hoje (15) ao Congresso Nacional.

O projeto também prevê uma média de 4,7% ao ano para a taxa Selic (juros básicos da economia), taxa de câmbio média a R$ 5,10 e preço médio do barril do petróleo (usado para estimar receitas da União com royalties) em US$ 60,9.

Com data determinada pela Constituição, o envio do PLDO de 2022 ocorre em um momento em que o Orçamento Geral da União de 2021 não foi sequer sancionado.

Nas últimas semanas, o governo e o Congresso têm negociado vetos parciais ao Orçamento aprovado no fim de março para remanejar dinheiro de emendas parlamentares para gastos obrigatórios, como Previdência Social e seguro-desemprego.

A taxa de câmbio média em 2021 permaneceu em R$ 5,30.

O Projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias traz parâmetros que orientam a elaboração do Orçamento do ano seguinte.

Em tese, o projeto precisa ser aprovado pelo Congresso Nacional até o fim do semestre legislativo, na metade de julho. Caso contrário, a pauta do Congresso fica trancada.

*Com Agência Brasil