Com o declínio nas cotações do petróleo, analistas recomendam paciência e cautela

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Imagem/reprodução/clockmacae

As ações ligadas ao setor de petróleo vem sofrendo fortes oscilações nos últimos tempos. Isso acontece por causa da forte queda nas cotações do petróleo, que chegou a ser negociado pelo menor valor em 18 anos, conforme informou o E-Investidor do jornal Estadão.

Esse movimento para baixo foi impulsionado pelo avanço do covid-19 no mundo e pelo racha entre a Rússia e Arábia Saudita, os maiores produtores da commoditie no planeta.

Os investidores posicionados em papéis do setor viram suas posições derreterem no mês de março. Por isso, Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura, disse à reportagem do Estadão que “O mundo está totalmente desorganizado, o preço das ações está deturpado. É hora de esperar o terremoto passar”.

Rafael Panonko, analista-chefe da Toro Investimentos, também compartilha da mesma visão. “Ter paciência e cautela é essencial porque uma hora o mercado vai se recuperar”, afirmou.

Mas, para Marco Saravalle, analista de investimentos, o investidor deve buscar companhias mais estáveis diante da atual conjuntura.

Saravalle acrescentou que o mercado de petróleo está sujeito a grandes variações, visto que está sofrendo pressão pela guerra entre os principais produtores de petróleo, bem como pela pandemia de coronavírus.

Segundos especialistas ouvidos pelo E-Investidor do jornal Estadão, a estatal brasileira pode promover novos cortes nos preços dos combustíveis devido a queda dos preços da commoditie. Mas, não se sabe qual será o impacto no bolso do consumidor final.

Panonko afirma que “as distribuidoras e postos podem não repassar a baixa”.

De acordo com os especialistas ouvidos pelo E-Investidor, a tendência de queda pode trazer benefícios para o consumidor final, mas a queda pode prejudicar várias companhias do setor e causar a perda de empregos.