De onde vem o dinheiro dos países para recuperar a economia?

Regiane Medeiros
Economista formada pela UFSC. Produz conteúdo na área de mercado de capitais, finanças pessoais e atualidades.
1

Crédito: Unsplash

A crise sanitária provocada pela expansão da Covid-19 gerou outra crise tão grave quanto, a econômica.

Diante desse novo cenário, muito dinheiro tem sido injetado na economia dos países a fim de dar suporte e sustentação à crise financeira.

Parte significativa desses recursos vem, sobretudo, de empréstimos feitos pelo governo, sendo uma das formas mais usadas, o financiamento pela emissão de títulos públicos.

Segundo Fabian Fávero, assessor de investimentos do EQI, “Os países estão emitindo títulos de dívida para dar liquidez à economia”.

Entretanto, apesar do aumento no volume de dinheiro circulando, Fávero não acredita que isso desencadeie em um processo inflacionário.

“O risco, na verdade, é a inflação. Por hora não há risco disso pelo fato de que a demanda está baixa”, disse o assessor do EQI.

Os títulos públicos são títulos de dívida emitidos pelo Tesouro Nacional e vendidos no mercado para investidores pessoas físicas e/ou jurídica.

Eles são negociados no mercado financeiro, sobretudo por bancos e fundos de investimentos.

Além disso, em alguns países os bancos centrais também estão autorizados a comprar títulos do governo. Essa políitca é conhecida como afrouxamento monetário ou Quantitative easing.

Dessa forma, ao comprar títulos públicos ou privados, o banco central consegue expandir os meios de pagamentos e regular a liquidez do mercado financeiro. Além de estimular o crédito em situações de desaquecimento da atividade produtiva.

Nos Estados Unidos, essa estratégia é usada pelo Federal Reserve desde a crise do subprime, em 2008. O Banco Central Europeu (BCE) também adotou o afrouxamento monetário em 2012.