Day Touro: Thiago Alonso, CEO da JHSF (JHSF3), é um dos convidados

Matheus Miranda
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Divulgação/JHSF

O nome de Thiago Alonso, CEO da JHSF (JHSF3), tem sido sempre destacado no mercado. O executivo está há cerca de seis anos à frente da empresa, que atua desde 1972 na administração de shopping centers, incorporação, hotelaria e gastronomia.

Antes de chegar à JHSF, passou por empresas de outro segmento, como do setor elétrico. Ele tem experiência em processos de reestruturação, transações no mercado de capitais, M&A / integração de negócios e desenvolvimento comercial. Passou por grandes companhias como em empresas como General Electric, Paranapanema e a consultoria PriceWaterhouseCoopers (PwC).

Thiago Alonso é um dos convidados do Day Touro, o evento que vai sacudir o Mercado Financeira, totalmente online e gratuito, no dia 5 de maio, comandado por Pablo Spyer.

Alonso é formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), com pós-graduação em Finanças e Negócios pela FGV– Fundação Getúlio Vargas. Além da presidência da JHSF, o executivo também faz parte do conselho de Administração da companhia.

Day Touro: Alonso tem vasta experiência

O atual presidente da companhia do ramo imobiliário, tem uma vasta experiência empresarial. Tudo começou em 1991, quando ingressou na PwC, por onde ficou ao longo de três anos.

Lá, atuou como membro do Grupo de Instituições Financeiras, de acordo com informações de seu perfil no LinkedIn.

No cargo, participou de várias transações de planejamento tributário e M&A. Produziu documento de marketing sobre Investimentos Estrangeiros no Brasil, como a Série Legis V – Investimentos Estrangeiros no Brasil, que foi editado pela Price Waterhouse.

Posteriormente, acumulou mais três anos de experiência no Continental Bank. No banco, Alonso trabalhou na liderança de uma equipe composta por 15 profissionais, tendo cinco empresas de consultoria em processo de privatização de estatais.

Ajudou ainda a desenvolver e emitir um programa de títulos internacionais, avaliado em US$ 120 milhões. Também executou transações de planejamento financeiro e fiscal.

Anos depois, foi atuar no setor de peças para a indústria de óleo e gás na Lupatech (LUPA3). Na empresa, liderou um time com 60 profissionais como CFO.

Foi o responsável pela implantação da controladoria, planejamento e execução da estrutura de capital; implantação de centro de serviços compartilhados.

Concluiu 17 operações aquisições em diversos países. Além disso também coordenou 6 transações de mercado de capitais internacionais, avaliados em US$ 1 bilhão. Entre as operações estão o IPO da Lupatech.

Na GE, liderança na América Latina

Ainda no setor energético, em 2012, o executivo passa a ocupar o cargo de diretor Executivo para a América Latina pela GE. Ao longo de dois anos, foi responsável por pelo Desenvolvimento de Mercado em transações cross business em óleo e gás Offshore Marítimo e Mineração na região.

As principais atividades incluíam temas como Inteligência de Mercado, Desenvolvimento Comercial e de Mercado, Cobertura Regional. A passagem pela GE durou cerca de dois anos e meio.

Após este período, passou ainda pela Paranapanema, também como CFO. Porém, ficou pouco tempo, já que em 2015, foi chamado para ocupar a presidência na JHSF.