Day Touro: “A Covid acelerou o mundo digital” diz Guga Stocco

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

O Day Touro fechou sua série de palestras com chave de ouro, com a participação do empresário Guilherme Stocco, mais conhecido como Guga Stocco, referência no mercado de tecnologia.

Criador do site de comparativo de preços Buscapé, considerado um dos primeiros unicórnios do Brasil, Guga Stocco também tem no currículo o título de fundador do primeiro banco mundial do País, o Original.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Veja aqui a transmissão completa

Hoje dono da Futurum Capital, empresa voltada para o desenvolvimento de startups, o empresário trocou ideias com Pablo Spyer, e destacou a mudança de cenário que a Covid-19 trouxe para o mundo desde março do ano passado.

Segundo ele, o aumento dos investimentos em startups de março de 2020 para os dias atuais, de aproximadamente R$ 3 bilhões para R$ 11 bilhões, é algo natural.

“A Covid acelerou o mundo digital, então precisamos ter produtos digitais cada vez mais fortes”, alertou Stocco. “O investimento nas empresas de tecnologia aumentou drasticamente, e é natural. As pessoas estão trabalhando em casa, então é preciso de softwares de produtividade, aumentar o e-commerce, criar outros tipos de inovação”, completou.

O empresário também se mostrou confiante em ver o Brasil navegar a favor da corrente nesse segmento, e não depender de ajuda estrangeira para ver o desenvolvimento de suas empresas e produtos.

“O Brasil tem mercado interno muito forte e não precisa importar essa tecnologia. Tem aqui dentro muita coisa”, assegurou, durante sua participação no Day Touro.

Guga Stocco: saúde é o que interessa

Entre as muitas tecnologias que estão no radar da Futurum Capital para o futuro (com o perdão do trocadilho) estão às ligadas à área da saúde, também chamadas de health tech.

“A gente olha de perto health techs. A saúde está no século passado. Plano de saúde hoje é um plano de doença, pois a gente só lembra quando está doente. Eu preciso de um que não deixe você doente, e preciso de tecnologia para isso”, argumentou. “Estamos olhando tecnologia de ponta no mundo inteiro”, emendou Stocco.

Um outro ramo no radar é o do agronegócio, mais especificamente o agrotech. Na visão do especialista em tecnologia, essa área também está tão arcaica quanto a da saúde no Brasil. E por isso, precisa de uma atenção urgente e especial.

“A Agroforte, que é uma das nossas investidoras, está criando plataforma para dar o crédito ao mercado de agro. Estamos trabalhando tecnologia para dar crédito de forma mais rápida e assertiva”.

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3

Guga Stocco, Day Touro

Fonte da juventude? Bomba no Day Touro

Quem já assistiu aos filmes da hoje extinta Sessão da Tarde, da Globo, certamente se deparou com várias histórias mostrando a fonte da juventude, que rejuvenescia todos que nela mergulhavam. E não é que um dos investimentos revelados por Guga Stocco em sua participação no Day Touro apontou para uma descoberta nesse sentido?

“Fizemos um investimento em uma empresa de biotecnologia em Miami, a Onogen. Ela tem feito um estudo sobre o telômero. O telômero tem todo o seu código genético e, quando replica errado, causa o envelhecimento da pessoa”, explicou.

“O que a empresa percebeu é que você precisa nutrir o telômero para que ele tenha potencial de replicar bem. Ela faz uma análise genética e de sangue e descobre que você tem 40 anos, mas a idade biológica é 50. Com as vitaminas e o tratamento, consegue diminuir sua idade”, completou, tentando explicar como funciona a sonhada “fórmula da juventude”.

Criptomoedas e NFTs também estão no portfólio de Guga Stocco

Além de olhar para a saúde e, talvez, para um método que ajude a prolongar a vida dos brasileiros, Guga Stocco também quer diversificar os investimentos da empresa em criptomoedas e NFTs.

Por conta disso, desde 2020 fez parceria com o também empresário Roberto Justus na criação da primeira criptomoeda 100% nacional, a WiBx, desenvolvida pelos engenheiros do ITA.

“O propósito dela é ajudar o varejo a vender. Funciona como um Uber da mídia, um plano de fidelidade ou um cashback. Você distribui WiBx para quem divulgar seu produto. Todas as pessoas que clicarem no link recebem o Ibix. Como está no blockchain, não dá para enganar. Você sabe exatamente quem clicou, para onde foi e de onde vem. Você elimina os intermediários”, garantiu.

Segundo Stocco, a criptomoeda brasileira já alcançou enorme valorização desde o seu lançamento, e o futuro é animador. “Ela cresceu quase 800% em dois ou três meses”.

Uma outra vertente digital que vem sendo trabalhada é em relação aos NFTs, tokens não-fungíveis, que são usados para autenticar obras de arte e outros itens raros e colecionáveis.

O empresário lembrou que, recentemente, o primeiro tweet publicado por Elon Musk, CEO da Tesla, foi vendido por uma fortuna, e anunciou que está expandindo a funcionalidade para outros ramos, em parceria com o cantor Sorocaba. “Estamos criando uma plataforma de NFT para a música.”.

FIP Venture Capital 2.0

Guga Stocco também anunciou que a Futurum está criando um FIP direcionado apenas para investidores profissionais, ao menos em um primeiro momento.

“O objetivo principal é investir em empresas de tecnologia. Elas precisam de empurrão, não só de capital, mas de experiência. O algo a mais é uma plataforma tecnológica para ajudar essas empresas”, explicou.

“O fundo de venture capital tradicional perde a empresa que não dá certo. A gente faz o quê? Invisto na empresa e trago a tecnologia para dentro. Mesmo que não tenha sucesso, mantenho a tecnologia. Faço que as empresas criem um ecossistema e transfiram essas tecnologias. Venture Capital 2.0”, diz.

Segundo Stocco, o fundo criado será de R$ 100 milhões, formado por poucos investidores, mas maiores. “Provavelmente vai encher rápido, pois já temos o portfólio de empresas. Já está lá com valuation, com tudo. É muito mais seguro”, concluiu.