CVC (CVCB3) aumenta capital; IMC (MEAL3) aprova oferta pública

Regiane Medeiros
Economista formada pela UFSC. Produz conteúdo na área de mercado de capitais, finanças pessoais e atualidades.

O conselho de administração da CVC (CVCB3) aprovou na última quinta-feira (9) o aumento do capital social no montante entre R$ 200 milhões a R$ 301,740 milhões.

Assim sendo, o aumento de capital será feito com a emissão de até 23.500.000 ações ordinárias.

Segundo o comunicado, serão emitidas no mínimo, 15.576.324 ações e, no máximo, 23.500.000 ações ao preço de R$ 12,84 por ação.

A operadora de viagens informou ainda que será atribuído aos subscritores um bônus de subscrição, em série única, por papel subscrito.

Dessa forma, caso a subscrição seja integral, a CVC poderá ter um aumento de capital adicional de até R$ 401,314 milhões.

O prazo para o exercício de preferência para subscrição será entre 15 de julho e 13 de agosto.

Os acionistas terão direito de preferência para subscrever ações na proporção de 0,1574298678 nova ação ON por ação de que forem titulares. De acordo com a posição acionária em 14 de julho.

A destinação dos recursos captados será direcionada ao fortalecimento de caixa e à preparação para um cenário de curto prazo ainda marcado por grande volatilidade e incerteza em razão da pandemia de Covid-19, informou a companhia.

Erros contábeis

Em fevereiro, a CVC constatou indícios de erros na contabilização de valores transferidos aos fornecedores de serviços turísticos referentes às receitas próprias de tais fornecedores.

Na ocasião, a companhia informou que o impacto potencial estimado dos referidos ajustes na receita líquida de vendas da Companhia era de R$250 milhões, considerando os exercícios sociais de 2015 a 2019.

Apesar de não ter finalizado as demonstrações contábeis, a CVC informou que a revisão terá impacto de R$ 350 milhões na receita líquida e inclui exercícios anteriores a 2015 até 2019.

Por fim, a Companhia estima que em virtude desses erros, possa ser possível recuperar cerca de R$ 55 milhões em tributos pagos indevidamente.

IMC (MEAL3) aprova oferta pública de distribuição primária

A International Meal Company Alimentação (MEAL3) informou na quinta-feira (9) que seu Conselho de Administração aprovou a realização de uma oferta pública de distribuição primária ações.

Inicialmente serão ofertadas 67.000.000 ações ordinárias, a ser realizada exclusivamente no Brasil.

A companhia informou que o preço por ação será fixado após a conclusão do procedimento de coleta de intenções de investimento.

Com base na cotação de fechamento de 9 de julho de 2020, ao preço de R$ 4,73 por ação, o montante total da oferta restrita seria de R$ 316.910.000,00, não considerando as ações adicionais.

Os recursos líquidos serão destinados para fins de reforço de caixa, expansão das marcas Frango Assado, KFC, Pizza Hut no Brasil e compra de franqueados, explicou a companhia em fato relevante.

Assembleia

A empresa convocou assembleia geral extraordinária digital, para 6 de junho, às 10h00, para deliberar sobre a proposta de ampliação do limite de capital.

O capital social da companhia, atualmente, subscrito e integralizado, é de R$ 786,066 milhões, divididos em 195,919 milhões de ações.

Balanço

A IMC reportou um prejuízo de R$ 50,2 milhões no primeiro trimestre deste ano, um aumento de 9,4 vezes no mesmo período de 2019.

De acordo com a IMC, os impactos da pandemia de Covid-19 foram os principais fatores da queda.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebtida, na sigla em inglês) ficou negativo em R$ 19,9 milhões, contra um resultado positivo em R$ 21,4 milhões.

As vendas nas mesmas lojas caíram 13,2% no primeiro trimestre de 2020.

A dívida líquida da IMC encerrou março em R$ 323,9 milhões, um aumento de 76,3%.