Cury (CURY3): vendas líquidas crescem 57,2% no 3TRI20

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 7 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Divulgação

A Cury (CURY3) atingiu R$ 410,3 milhões em vendas líquidas no terceiro trimestre de 2020, recorde histórico da construtora.

Isso representa um crescimento de 57,2% em relação ao mesmo período de 2019.

A velocidade de vendas, medida pelo indicador de Vendas Sobre Oferta (VSO) cresceu 10,4 pontos percentuais na comparação com o mesmo período do ano anterior, atingindo 46,5% no terceiro trimestre.

BDRs| Aprenda mais sobre essa classe de Ativos

Já nos nove primeiros meses de 2020 a VSO foi de 66,6%, 8,1 p.p. acima do mesmo período de 2019.

Conforme a Cury, o resultado é fruto do desempenho de vendas tanto dos lançamentos quanto dos estoques da companhia.

Lançamentos e estoques

Foram lançados 5 empreendimentos no trimestre, totalizando R$ 396,9 milhões em VGV. No acumulado do ano foram lançados R$ 866,0 milhões.

A Cury registrou aumento em seu landbank, que atingiu R$ 8,8 bilhões em VGV potencial. Este avanço representa 87,1% de crescimento em relação ao terceiro trimestre de 2019.

Geração de caixa dispara com IPO

A geração de caixa no trimestre totalizou R$ 219,4 milhões, alta de 716,5%.

De acordo com a companhia, o terceiro trimestre teve influência direta da emissão primária no âmbito da Oferta Inicial de Ações (IPO), e observa-se aumento tanto nas comparações ano contra ano quanto nas comparações trimestrais.

Mesmo excluindo-se os efeitos da primária a Cury teria apresentado R$ 55,9milhões em geração de caixa no terceiro trimestre e R$ 121,1 milhões nos nove primeiros meses de 2020.

 Veja os principais destaques do balanço:

Cury informa que fundos de investimentos ficaram com maior parcela das ações em IPO

A Cury informou que os fundos de investimentos ficaram com a maior parte das ações de seu IPO, cerca de 73,8%.

Em segundo lugar, aparecem os investidores estrangeiros com 11,4% do total das ações ofertadas.

Enquanto isso, as pessoas físicas ficaram com 9,7% das ações da oferta realizada pela companhia.