Cury (CURY3) fecha dia de estreia na bolsa com alta de 1,18%

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Divulgação

A incorporadora Cury (CURY3), subsidiária da Cyrela (CYRE3) estreou na bolsa nesta segunda-feira com a volatilidade como marca.

Fixado em R$ 9,35 por a ação em sua oferta pública inicial (IPO), o papel sofreu uma queda de 6,74% e chegar a ser cotada a R$ 8,72, mas se recuperou.

A ação, por volta das 15h30, registrava alta de 3,42% em cima da oferta inicial, sendo negociada a R$ 9,67.

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

No fim do dia, voltou a apresentar leve queda e foi negociada com alta de 1,18% em cima do valor inicial, a R$ 9,46.

O evento

O evento, realizado de forma virtual, contou com a participação do CEO da B3, Gilson Finkelsztain, além de Fábio Elias Cury, CEO da Cury, conectados com os demais executivos da companhia e conselheiros de administração.

A oferta foi feita nos termos da ICVM 400, com coordenação do Banco BTG Pactual (Coordenador Líder), do Itaú BBA, Bank of America e da Caixa Econômica Federal (Coordenadores da Oferta).

Com a realização de seu IPO, a construtora passou a ser a 151ª empresa listada no Novo Mercado, segmento com os mais elevados padrões de governança corporativa.

Oferta da Cury levantou R$ 977,5 milhões

O primeiro dia da Cury na bolsa acabou resultado em um levantamento de R$ 977,5 milhões em sua oferta de ações.

O valor total acabou ficando um pouco abaixo do que previa a captação inicial, estimada em aproximadamente R$ 1,5 bilhão antes da efetiva estreia.

A diferença se deu, principalmente, porque o preço da ação ficou aquém da faixa indicativa prospectada no início do mês, que estava entre R$ 11 a R$ 14,30.

O montante captado nesta segunda-feira já tem destino. Dos R$ 977,5 milhões levantados, R$ 170 milhões são em relação à tranche primária e, assim, vão para o caixa da empresa.

Os recursos captados pelo IPO serão direcionados pela Cury para a aquisição de terrenos.

A empresa é voltada a empreendimentos residenciais focados na baixa renda e atua, principalmente, nas regiões metropolitanas de São Paulo e Rio de Janeiro.

Sobre a Cury Construtora

A Cury foi fundada em 1963 por Elias Cury. Já sob o comando de seu filho, Fábio, a empresa firmou uma joint venture com a Cyrela, maior do setor.

O negócio supria uma deficiência da Cyrela, focada em clientes de média e alta renda.  A empresa já atuava na construção de imóveis para baixa renda. A parceria fez muito mais sentido dois anos depois, quando o governo federal lançou o programa Minha Casa, Minha Vida.

A Cyrela possui 48,25% de posição acionária na Cury. Em março, a Cury representava aproximadamente 2,22% do seu patrimônio líquido consolidado.

No ano passado, a Cury lançou 14 empreendimentos imobiliários com Valor Geral de Vendas (VGV) de R$ 1,14 bilhão.

No primeiro semestre de 2020, a empresa lançou seis empreendimentos. Com isso, totalizou R$ 469,1 milhões de VGV, dos quais R$ 384 milhões referem-se à participação da empresa.

Informações financeiras 

No ano passado, a Cury lucrou R$ 204 milhões em 2019.

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado ficou em R$ 251 milhões.

A receita líquida da Cury em 2019 foi de R$ 1,019 bilhão.

Já a dívida líquida da empresa totalizou R$ 27 milhões no ano passado.

Em relatório de junho do ano passado, o Itaú BBA calculava um valor de mercado implícito para a Cury de R$ 1,3 bilhão a R$ 1,6 bilhão.

Leia também: BTG Pactual (BPAC11) aposta em queda das taxas LTN-24 em 12 meses