CSN (CSNA3) reverte lucro e tem prejuízo de R$ 1,312 bi no 1TRI20

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/Wikipedia

A CSN (CSNA3) reportou nesta quinta-feira (14) um prejuízo de R$ 1,312 bilhão no primeiro trimestre de 2020, revertendo o lucro líquido de R$ 87 milhões no mesmo período de 2019.

De acordo com a empresa, o resultado negativo foi em função principalmente de apontamentos não-operacionais e não-caixa como o hedge accounting e a perda de valor de mercado nas ações da Usiminas.

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebtida, na sigla em inglês) ajustado somou R$ 1,331 bilhão, baixa de 23%.

A margem Ebtida ajustado da CSN atingiu 24,1%, uma diminuição de 3,6 pontos percentuais

O resultado financeiro foi negativo em R$ 1,201 bilhão, impactado pela desvalorização das ações da Usiminas que gerou perda sem efeito caixa de R$ 962 milhões.

O custo dos produtos vendidos (CPV) ficou em R$ 4,018 bilhões, uma queda de 9,3%.

As despesas somaram R$ 510 milhões, inferior ao registrado no mesmo período de 2019.

Fonte: CSN

Receita cai 11%

A receita líquida da CSN totalizou R$ 5,335 bilhões no trimestre, uma diminuição de 11% em relação ao primeiro trimestre de 2019.

Segundo a companhia, o recuo aconteceu principalmente pelo menor volume de vendas de minério de ferro em função de chuvas e atrasos nas novas frentes de lavra.

O lucro bruto somou R$ 1,317 bilhões no primeiro trimestre de 2020, uma redução de 34%.

A margem bruta atingiu 24,7%, baixa de 8,3 pontos percentuais.

A companhia explica que a redução foi em função da forte queda pontual do volume de minério de ferro.

O volume de vendas de aço caiu 3% no primeiro trimestre de 2020, para 1.140 mil toneladas.

A produção de minério de ferro somou 5,9 milhões de toneladas no período, 39% inferior ao mesmo período do ano anterior.

Fonte: CSN

Investimentos da CSN

A CSN investiu R$ 354 milhões no primeiro trimestre de 2020,em função da desaceleração de gastos nos diversos projetos de sustainingna siderurgia, no contexto da parada programada do AF#3 que ocorreu durante grande parte do segundo semestre de 2019.

Na mineração, os investimentos referem-se em sua maioria a continuidade operacional.

Dívida

A dívida líquida da CSN encerrou março em R$ 32,804 bilhões, um aumento de 27,1%.

A alavancagem financeira, medida pela relação dívida líquida / Ebtida ajustado, ficou em 4,1 vezes no final de março de 2020, uma diminuição de 0,7 p.p. em comparação com igual período de 2019.

Projeções

A CSN alterou sua projeção de produção de minério de ferro em 2020.

Em nota, a companhia informou que alterou a forma como apresenta a produção de minério de ferro em seu release, a partir do primeiro trimestre de 2020 considera produção somado a compra de terceiros, a qual espera alcançar cerca de 33 a 36 milhões de toneladas de produção de minério de ferro no período.

A CSN reduziu a expectativa de gastos com investimentos em 2020 de R$ 1,8 bilhão para R$ 1,1 bilhão.