CSN (CSNA3) e a CSN Mineração (CMIN3): operações retomadas em Itaguaí

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: CSN/Divulgação

A Companhia Siderúrgica Nacional, CSN (CSNA3), e a CSN Mineração (CMIN3) afirmaram, em comunicado divulgado nesta segunda-feira (19), que as operações portuárias na cidade de Itaguaí (RJ) já foram retomadas.

Na sexta-feira (16), houve uma interdição temporária das operações no Terminal de Carvão – Tecar da CSN Mineração, e no Terminal de Contêineres da Sepetiba Tecon, controlado da CSN.

A paralização foi feita pela Prefeitura Municipal de Itaguaí/RJ, sob o argumento  de  irregularidades  no licenciamento e crimes ambientais.

As empresas afirmam que, no sábado (17) foi ajuizada medida cautelar perante o Tribunal de Justiça do RJ, que acatou os pedidos. Dizem ainda que “não reconhecem qualquer das acusações que lhe foram supostamente imputadas” e que operam em “total conformidade ambiental e confirmam a validade de todas as licenças ambientais para suas operações portuárias em Itaguaí”.