Criptomoedas: políticas monetárias não devem sofrer muitas alterações

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: Pixabay

O ex-presidente do Banco Central (BC) Arminio Fraga falou nesta quarta (16) que criptomoedas como o bitcoin não devem gerar grandes mudanças nas políticas monetárias atuais dos bancos centrais.

As informações são da Broadcast.

A era digital

Para Arminio Fraga, o estoque dessas moedas já não é tão interessante para os bancos centrais, por já estarem na nova era digital. Além disso, eles operam mais em cima das taxas de juros.

“Acho que não vai mudar muito. A política monetária tem seus limites. Hoje os bancos centrais viraram ‘resolvedores’ de todos os problemas”, disse em live sobre sistema financeiro promovida pelo Instituto Propague.

Para o ex-presidente da BC, os bancos centrais não conseguem resolver tudo, mas possuem muito poder. Concluiu dizendo que esse poder continuará em exercício com grandes benefícios, apesar dos riscos.

Mantendo a rotina

“Os bancos centrais precisam fazer o seu trabalho mais ou menos como sempre, adaptados à tecnologia atual”, afirmou Fraga.

Apesar das moedas virtuais estarem presentes na vida cotidiana digital, Arminio Fraga também vê o lado negativo das criptomoedas. Na perspectiva do ex-presidente do BC, elas são apoiadas por hiperliberais que discordam da regulamentação do governo.

Por fim, complementou que as estas moedas podem atuar bem para transferências, por conta da tecnologia. Mas também são instáveis, caras e não têm valor de compra.