Carrefour (CRFB3) tem alta de 12,5% nas vendas no 1TRI20

Marco Antônio Lopes
Editor. Jornalista desde 1992, trabalhou na revista Playboy, abril.com, revista Homem Vogue, Grandes Guerras, Universo Masculino, jornal Meia Hora (SP e RJ) e no portal R7 (editor em Internacional, Home, Entretenimento, Esportes e Hora 7). Colaborador nas revistas Superinteressante, Nova, Placar e Quatro Rodas. Autor do livro Bruce Lee Definitivo (editora Conrad)

Crédito: Divulgação

O Grupo Carrefour (CRB3) divulgou, nesta segunda (27), os resultados preliminares no balanço do 1º trimestre de 2020.

A empresa apurou crescimento de 12,5% nas vendas, atingindo volume de R$ 15,9 bilhões em comparação ao mesmo período de 2019.

“Excluindo gasolina, as vendas cresceram 7,6%, como resultado do forte momento pré-pandemia e do aumento da demanda na segunda quinzena de março”, lembra a empresa.

“Nossa estratégia de expansão nos formatos de atacado e proximidade nos últimos 12 meses resultou em um
crescimento adicional de 4,3%, com a inauguração de 4 lojas do Atacadão e uma loja de proximidade no 1T20. Ao
final de março de 2020, a rede do Grupo Carrefour Brasil totalizava 698 lojas.”

No 1T, a evolução foi “impulsionada por um crescimento de 20,9% nas últimas duas semanas de março devido ao
aumento da estocagem de produtos por parte dos consumidores.”

Em nota o Carrefour observa: “Esse crescimento apresentou uma combinação bastante equilibrada em sua composição: sendo 8,9% o crescimento no varejo (9,8% incluindo o efeito calendário favorável de 1%) e 7% no Atacadão (8,1% incluindo o efeito calendário positivo de 1,1%), com destaque para os produtos alimentares,reflexo das medidas de isolamento.”

O faturamento bruto do Banco Carrefour atingiu R$ 9 bilhões, o que representa crescimento de 26,4%, graças às
medidas anteriormente tomadas para sustentar o crescimento.

Nas últimas duas semanas de março, houve uma desaceleração, “reflexo de uma política de crédito mais restrita para reduzir a e limitar os riscos de aumentos na inadimplência por contado COVID-19.”

Atacadão

A empresa explicou, em nota: “Frente a uma situação sem precedentes com a disseminação do coronavírus, a prioridade máxima e imediata do Carrefour foi assegurar a saúde e segurança de seus funcionários e clientes, ao mesmo tempo em que continua exercendo seu papel fundamental de garantir o fornecimento de alimentos.”

Os resultados da empresa foram positivos em braços como o Atacadão, rede de supermercados que apontou crescimento de 13,6%, “sendo 6,0% resultado de expansão e 7% LfL.

“Isso reflete o sólido posicionamento em produtos de cesta básica com melhor custo-benefício tanto para o consumidor final que estocou alimentos”, informa o Grupo.

Receita bruta de R$ 10,8 bi

A receita bruta do Atacadão chegou a R$ 10,8 bilhões no 1T, crescimento total de 13,6%. Segundo a empresa, é um “reflexo da sua estratégia de expansão e sólido posicionamento no segmento de produtos de cesta básica, com melhor custo-benefício tanto para os consumidores que buscam estocar esse tipo de produto a preços baixos, quanto para o B2B.”

“Os mercados de bairro tiveram destaque especial, auxiliando no abastecendo das famílias, ao
mesmo tempo em que minimiza os deslocamentos”, lembra a empresa.

O impacto do efeito calendário no 1T foi de +1,1%. “O crescimento LfL do Atacadão foi de 8,1% no trimestre ou, excluindo o efeito calendário favorável, 7,0% apesar de uma base de comparação desafiadora (vs 6,8% no 1T19). A expansão contribuiu com mais 6,0%.”

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Com a inauguração de 4 novas lojas em diferentes regiões do Brasil no 1T, o Atacadão encerrou o trimestre com
190 lojas.

Antes da Black Friday

Mesmo antes da pandemia do Covid-19, o LFL do Atacadão, diz o Carrefor, “já vinha experimentando uma forte tendência positiva por conta do bom momento observado no 4T19, devido, em parte, a uma bem sucedida Black Friday.”

E explica: “Com cenário atual, que revelou padrões atípicos de compras no Atacadão nas duas últimas semanas de março (de 14 a 31/03) o crescimento acelerou ainda mais, atingindo 18,6% neste período.”

Como efeito da pandemia, a empresa notou “um ritmo mais acelerado de compras durante os dias de semana, uma
queda no número de tickets e um aumento do ticket médio”

Eis o motivo:: “Uma vez que as pessoas estão comprando para para grupos maiores e estocando para reduzirem as idas ao supermercado. A queda nas vendas para bares e restaurantes foi mais que compensada pelo aumento significativo nas vendas B2C e B2B para vendedores produtos alimentares.”

“O mix da cesta de produtos em março se concentrou principalmente em itens básicos e essenciais”, diz o Grupo.

Itens de mercearia secos cresceram 5,2%, de higiene 17,3% e produtos de limpeza 10,4%, enumera a empresa.

“A presença nacional do Atacadão e sua grande variedade de produtos básicos, aliadas a sua capacidade de
alcançar não apenas o B2B, mas também o consumidor final, colocam a operação em uma posição favorável
diante do atual cenário, apesar da acentuada redução nos negócios de restaurantes e outras atividades
similares.

“Nossa prioridade continua sendo a saúde dos nossos funcionários e clientes, bem como o fornecimento de
alimentos aos brasileiros. Realizaremos todos os investimentos necessários para que possamos exercer a nossa
responsabilidade social, bem como garantir um ambiente seguro, e ao mesmo tempo, a continuidade dos
nossos negócios”, complementa o comunicado.

Varejo

A rede Carrefour Varejo teve crescimento de 9,1% do 1T, incluindo GMV.

“As lojas apresentaram evolução de 8,5% nas vendas LfL, com destaque para o crescimento de 10,1% na demanda por produtos alimentares, dinâmica já existente e que foi impulsionada pelas medidas de isolamento implementadas”, explica o Grupo.

“Excluindo-se o impacto favorável de 1,0% do efeito calendário, as vendas do Carrefour Varejo sem gasolina,
cresceram 8,9% (ou 9,1% incluindo o marketplace) no 1T20, comparado a 6,1% no 1T19, com as vendas totais (s/
gasolina) atingindo R$ 4,4 bilhões (R$ 4,5 bilhões incluindo marketplace)”, anuncia o Grupo.

O GMV Alimentar avançou 235%, “incluindo o serviço de entrega rápida, amplamente impulsionado
pela expansão das side stores (12 aberturas em 2019) e pelos novos hábitos causados pela pandemia do
Covid-19.”

Complementa a nota da empresa: “As iniciativas digitais têm exercido um importante papel para o crescimento LfL em meio a uma situação sem precedentes.

Banco Carrefour

O Banco Carrefour também mostrou expansão: a empresa anota aumento de 26,4% no faturamento no 1T, com a carteira de crédito registrando aumento de 34,4%, para R$ 11,9 bilhões.

No 1T, o Banco Carrefour registrou crescimento do faturamento total atingiu R$ 9 bilhões. O
faturamento do cartão de crédito Carrefour aumentou 17,5%, chegando a R$ 6,1 bilhões.

No cartão de crédito Atacadão o faturamento foi de R$ 2,7 bilhões, crescimento de 52,4% no 1T.

São 2,1 milhões de cartões e a taxa de penetração atingiu 13,7% no Atacadão.

“A carteira de crédito apresentou crescimento significativo de 34,4%, atingindo R$ 11,9 bilhões, dando continuidade ao sólido desempenho”, explica o Carrefour.

“A pandemia de COVID-19 e suas prováveis consequências econômicas culminaram em uma decisão
antecipada de conter a expansão de crédito a partir de meados de março, protegendo assim a alta qualidade
de nosso portfólio.”, adiciona.

“Na última quinzena de março o crescimento do faturamento total desacelerou devido à adoção de uma postura mais conservadora de crédito visando prevenir que nossos clientes se tornem excessivamente endividados, e limitando a nossa exposição a elevados níveis de inadimplência”, observa ainda a empresa.

Medidas

Em relação à crise do coronavírus, o Carrefour anunciou algumas medidas:

“- Foco máximo na segurança de nossos colaboradores e clientes: rápida implementação de um conjunto de
medidas abrangentes, além dos exigidos pelos órgãos de saúde pública, em lojas e centros de distribuição
(distanciamento social, máscaras para todos os funcionários, álcool em gel, painéis de acrílico nos caixas,
termômetros na entrada das lojas,etc.); trabalho remoto para os funcionários da matriz.
– aumento do estoque de produtos mais sensíveis e prioritários, recrutamento de 5.000 funcionários para fortalecer as equipes de lojas e CDs, desenvolvimento acelerado de nossas capacidades no e-commerce.
– Proteção do poder de compra: negociações recorrentes com fornecedores para evitar ou conter aumento
de preços; decisão de congelar por 2 meses os preços de 200 itens de marca própria.
– Ações de solidárias para ajudar pessoas em situação de vulnerabilidade: doação de R$ 15 milhões em
produtos de cesta básica por meio de um programa apoiado por ONGs; campanha “Compra Solidária”;
iniciativa“Máscaras da Comunidade”.

 Varejo: maior volume de alimentos sustenta sólido LfL

De acordo com o Carrefour, “excluindo-se o impacto favorável de 1,0% do efeito calendário, as vendas do Carrefour Varejo sem gasolina cresceram 8,9% (ou 9,1% incluindo o marketplace) no 1T20, comparado a 6,1% no 1T19, com as vendas totais (s/gasolina)”

As vendas atingiram R$ 4,4 bilhões (R$ 4,5 bilhões incluindo marketplace).

O Varejo também teve aumento do ticket médio e uma redução no número de tickets, “reflexo da estocagem de alimentos e compras mais concentradas.”

“As vendas de gasolina apresentaram um aumento de 3,4% no trimestre, incluindo uma queda significante na ultima quinzena de março, como consequência das medidas de isolamento social adotadas em diversos estados”. explica a empresa.

Manutenção de preços

A companhia apresenta mais um motivo para o aumento de volumes no trimestre, nas categorias alimentares: a decisão estratégica do Carrefour de manutenção de preços, “contenção do aumento de preços solicitados pelos
fornecedores, e pelo congelamento dos preços de 200 itens de marca própria por pelo menos dois meses.”

Neste trimestre, o crescimento do segmento alimentar superou o não alimentar pela primeira vez desde
2017.

“O crescimento de 11,2% nas vendas de alimentos representou o maior aumento trimestral dos últimos cinco
anos e foi impulsionado por um aumento na demanda na segunda quinzena de março, que apresentou LfL de
26,3% (de 14 a 31/03 – Varejo sem gasolina)”, afirma a empresa.

“As categorias não alimentares continuaram a apresentar um crescimento significativo no 1T, atingindo LfL de 4,8%”, completa.

No e-commerce, houve aumento na demanda por produtos alimentares, com crescimento LfL de
187,2%.

Esse avanço não considera a contribuição “do serviço de entrega rápida que adiciona outros 1p.p. no
LfL das lojas.”

“Mais do que nunca a combinação de nossas inciativas omnicanais com o e-commerce, serviço de
entrega rápida e iniciativas digitais foram chaves em nossa performance no cenário atual. O GMV Alimentar
apresentou crescimento total de 235% (incluindo serviço de entrega rápida)”, diz ainda o comunicado.

Lojas inauguradas

No 1T, o Carrefour inaugurou quatro lojas do Atacadão, uma loja Carrefour Market, uma farmácia e um posto de gasolina.

Fechou uma loja Carrefour Bairro em Belo Horizonte, após o proprietário exigir o seu imóvel.

“Passamos a operar 698 lojas, com uma área de vendas total de 2.023.557 metros quadrados”, comunica a companhia.

 

LEIA MAIS

Utilize um consultor para te ajudar a investir com segurança

Fundos imobiliários: é o momento de investir?