Cresce investimento de brasileiro no exterior; veja outros destaques

Osni Alves
Jornalista (2007); Especializado em Comunicação Corporativa e RP (INPG, 2011); Extensão em Economia (UFRJ, 2013); Passou por redações de SC, RJ e BH (oalvesj@gmail.com).
1

Crédito: Juro em níveis rasos leva investidor a aplicar no exterior

Nos 12 meses encerrados em julho, os fundos de investimentos que aplicam mais de 40% da carteira em ativos fora do país captaram, em termos líquidos, R$ 62,8 bilhões.

Segundo o Valor, o montante é 34,8% superior à soma do que foi investido nessa estratégia em 2018 e 2019.

Do total, R$ 36 bilhões foram aportados entre janeiro e julho deste ano.

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

Com a Selic em 2% ao ano, a maior parte dos investimentos tradicionais de renda fixa mal cobre a variação da inflação, por conta dos custos de aplicação.

Segundo o boletim Focus, do Banco Central, a mediana das expectativas do mercado para o IPCA em 2020 está em 1,63%.

Juro em níveis rasos leva investidor a aplicar no exterior

Eleva Educação terá IPO nos EUA

O grupo de educação Eleva, que tem como acionista o empresário Jorge Paulo Lemann, decidiu fazer uma oferta pública inicial de ações (IPO), apurou o Valor.

A companhia já tem conversado com bancos de investimento para definição de sindicato, mas ainda não iniciou as contratações de coordenadores.

A intenção inicial é que a oferta seja em bolsa americana, onde grupos brasileiros de educação têm conseguido chamar a atenção de investidores globais com múltiplos altos.

A empresa pretende levantar entre US$ 300 milhões e US$ 350 milhões na operação.

Sabesp (SBSP3) vira motivo de preocupação para investidor

A Sabesp (SBSP3) já foi cotada com uma das companhias mais interessantes para se investir. Mas, segundo o Estadão, enfrenta momento de turbulência sob a gestão do governador João Doria e virou motivo de preocupação.

Ontem as ações despencaram após o governador anunciar a volta da Sabesp ao programa de capitalização.

O mercado considera a iniciativa um retrocesso, ou seja, se opõe ao plano de privatização.

BB e Itaú querem barrar assembleia da Oi

O Banco do Brasil e o Itaú Unibanco acionaram a Justiça em segunda instância para pedir a suspensão da assembleia geral de credores da Oi, marcada para 8 de setembro.

Na ocasião, será colocada em votação a proposta de mudança no plano de recuperação judicial da operadora – incluindo aí a permissão para venda das redes móveis, fibra, torres e data centers.

Segundo o Estadão, a informação consta em agravos encaminhados pelos bancos para a desembargadora Monica Maria Costa Di Pietro, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

OI (OIBR3 OIBR4): oferta recebida é corrida com barreiras, diz ex-ministro Juarez Quadros

CVM nega pedido da Smiles

O colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) não acatou um pedido da Smiles e sua controladora Gol para interromper a assembleia de acionistas convocadas por minoritários que não concordam com o acordo de antecipação de passagens firmado com a aérea.

Segundo o Valor, a reunião está marcada para hoje.

Os acionistas da Smiles convocaram nova assembleia para deliberar a inviabilidade dos dois últimos contratos de compras de passagens aéreas celebrados com a Gol, que totalizam R$ 1,6 bilhão.

cvm-comissao-valores-mobiliarios

PagSeguro adere ao TikTok

A credenciadora de cartões PagSeguro, do grupo UOL, firmou uma parceria com o TikTok, da ByteDance.

Conforme o Valor, a iniciativa permitirá que os usuários da rede social de compartilhamento de vídeos possam receber valores em uma conta digital do PagBank.

A parceria acompanha a tendência de empresas de pagamento se vincularem a redes sociais e aplicativos para elevar o número de clientes e o volume de transações.

Oferta da Stone por Linx vai levar dois meses

A proposta da credenciadora de cartões Stone para comprar a Linx deve levar pelo menos dois meses para ser analisada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

No exterior, a reguladora é a Securities and Exchange Commission (SEC), nos Estados Unidos.

Conforme apurou o Valor, especialistas antitruste da Stone e da Linx finalizam a documentação para enviar ao Cade nos próximos dias, com o máximo possível de informações para ajudar a acelerar o processo.

Em casos mais rápidos, de menor risco concorrencial, a análise do Cade pode ser feita em 30 dias.

Linx (LINX3): possível fusão com Stone visa dar escalabilidade aos negócios

JHSF tropeça na Bolsa

A JHSF Participações se manifestou ontem sobre críticas de um gestor relativas a adiantamento de recursos da empresa a seu acionista controlador, decorrente da compra de um terreno.

Segundo o Valor, a família Auriemo tem o controle da empresa, com cerca de 60% do capital. Ontem as ações da JHSF fecharam em queda de 4,49%, a R$ 8,06.

Na terça-feira, Renoir Vieira, gestor da Pacific Investimentos, publicou tuítes sobre pagamentos da JHSF ao sócio controlador, que teriam sido feitos à revelia do que diz o estatuto social, e no entendimento dele, em desacordo com o interesse dos minoritários.

A Aneel e a desoneração tarifária

Passadas as grandes turbulências da pandemia, que exigiram respostas rápidas para evitar maiores estragos no curto prazo, o governo e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) estão avançando com a agenda de desoneração das tarifas de energia.

De acordo com o Valor, a Aneel pretende atuar em novas frentes, e junto ao Congresso, reduzir de forma efetiva o peso dos custos.

Ao jornal, o diretor-geral da Aneel, André Pepitone, afirmou que está prevista, ainda para esta semana, a edição de uma medida provisória estruturada pelo ministério de Minas e Energia (MME) contendo “comandos” para a desoneração das tarifas.

Segundo Pepitone, o texto trará, entre outras ações, uma solução para diluir o aumento esperado com revisões tarifárias.

Equatorial (EQTL3)

Senado derruba veto de Bolsonaro sobre servidores

O Senado derrubou ontem o veto do presidente Jair Bolsonaro ao reajuste de salários de servidores durante a pandemia do coronavírus.

A proposta foi aprovada pelo Congresso dentro do socorro financeiro a estados e municípios, mas acabou barrada pelo Palácio do Planalto. O veto ainda passará por votação na Câmara dos Deputados nesta quinta-feira, 20.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que os senadores deram “um péssimo sinal”.

Segundo o Estadão, ele também classificou a decisão como “um crime contra o país”.

O veto do presidente bloqueava reajuste salarial para algumas categorias do funcionalismo público até o final de 2021.

Insatisfação quanto ao futuro atinge presidente

Pesquisa Datafolha aponta que quatro em cada dez entrevistados (41%) acham que a situação econômica do país vai piorar nos próximos meses, enquanto 29% avaliam que vai ficar igual.

A situação vai melhorar para 29% dos respondente.

O Datafolha individual conversou com 2.065 pessoas por telefone em 11 e 12 de agosto. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Eleições 2020: mais de 11 mil gestores ‘ficha-suja’

Mais de 11 mil gestores públicos condenados por atos administrativos em segunda instância devem ser enquadrados na Lei da Ficha Limpa, o que os impedirá de concorrer nas eleições deste ano.

O levantamento parcial, feito pela Associação de Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon), leva em conta dados de 15 estados que já se anteciparam ao prazo de 25 de setembro, quando todos os tribunais deverão encaminhar seus relatórios à Justiça Eleitoral.

Segundo O Globo, são prefeitos, vereadores, servidores e funcionários de empresas com parcerias públicas, cujos processos já transitaram em julgado nos últimos oito anos, ou seja, não cabem mais recursos na esfera administrativa.

As principais irregularidades cometidas pelos gestores “ficha-suja” estão não ter atingido o percentual mínimo de gastos com Saúde e Educação, realização indevida do recolhimento de contribuições previdenciárias ou de licitações e atos de improbidade administrativa que culminaram em prejuízos ao contribuinte.

Coronavírus

De acordo com o consórcio de imprensa formado para cobrir a pandemia do novo coronavírus, os números no Brasil estão assim:

Casos confirmados: 3.460.413;
Recuperados: 2.615.254;
Mortes: 111.1889.