CRAs de JBS e São Salvador têm período de reserva em encerramento

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 7 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Duas emissões de CRAs estão com período de reserva se encerrando nos próximos dias. Uma delas é a empresa de alimentos São Salvador, com vencimento em 2026. A outra é da JBS (JBSS3), que terá duas séries, uma com vencimento em 2027 e outra 2030.

Alguns CRAs, assim como CRIs, têm oferecido boas taxas e rentabilidade e por isso são vistos como opção de investimento no campo da renda fixa, dentro de cenário atual de juros baixos.

O CRA da São Salvador está oferecendo juros de 3,10% ao ano, mais o que render o Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais; ou 5,00% ao ano, o que for maior na data de apuração entre essas duas possibilidades.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

Já o CRA da JBS oferece, para a primeira série, Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2028 mais 1,15% ao ano ou 3,90% ao ano, o que for maior  E na segunda série Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2030, mais 1,30% ao ano ou 4,35% ao ano, igualmente o que for maior.

CRA São Salvador

Os investidores interessados em participar da São Salvador têm até amanhã (10) para realizar a reserva.

Serão emitidos, inicialmente, 200 mil CRAs, mas, de acordo com a demanda, pode ser aumentada em até 20% dos CRA inicialmente ofertados, os quais serão objeto de colocação em regime de melhores esforços.

Esta é a 17ª emissão de CRAs da companhia. Cada título terá valor nominal de R$ 1.000,00. Dessa forma, a operação totalizará R$ 200 milhões.

Os CRA farão jus a juros limitados a 3,10% ao ano, acrescidos exponencialmente à taxa interna de retorno do Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais; ou  5,00% ao ano, entre os itens e o que for maior na data de apuração.

A oferta de CRAs da São Carlos será destinada para público em geral.

Esses títulos têm um rating (nota de risco) de brAA, emitido pela Standard & Poor´s.

CRA JBS

Já a JBS realizará a 12ª emissão de CRAs em duas séries. Serão emitidos, inicialmente, 1,7 milhão de CRAs, podendo essa quantidade ser aumentada de acordo com a demanda, em até 20% do inicialmente ofertado.

O período de reserva vai até o dia 16 de novembro e está também aberto ao público em geral.

Na oferta de CRA de primeira série incidirão juros remuneratórios limitada à maior taxa entre a taxa interna de retorno do Título Público Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais (NTN-B), com vencimento em 2028, acrescida de spread de 1,15% ao ano; e a taxa de 3,90% ao ano.

Enquanto o CRA 2ª Série, incidirão juros equivalentes ao Título Público Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais (NTN-B), com vencimento em 2030, acrescida de spread de 1,30% ao ano; e a taxa de 4,35% ao ano.

A Fitch Brasil atribuiu rating AAA para os CRAs emitidos pela JBS.

Conforme o prospecto, a JBS destinará o recursos captados para adquirir bovinos.

Sobre a São Salvador

A São Salvador atua no mercado brasileiro com as marcas SuperFrango e Boua, que têm  uma linha diversificada de produtos alimentícios. Há 29 anos no mercado, a marca SuperFrango produz e comercializa frangos inteiros, cortes congelados e resfriados, embutidos e empanados.

Em 2014, o portfólio de produtos da companhia foi ampliado com a marca Boua, que oferece produtos alimentícios de diversos segmentos, como vegetais, defumados, embutidos de carne bovina, cortes suínos fatiados, batata congelada, lácteos, hamburguer e peixes.

A história do grupo tem início em 1973, com os primeiros aviários para produção de frangos de corte. O Estado de Goiás e Distrito Federal respondem por aproximadamente 85% das vendas da empresa no mercado interno, com participação próxima de 30% na venda de carne de frango e derivados nestas regiões.

A São Salvador possui habilitação para exportar para mais de 160 países, sendo que atualmente exporta para mais de 66 países, principalmente para China, Japão e Leste Europeu.

A combinação entre câmbio desvalorizado e demanda chinesa aquecida favoreceu nos últimos anos a estratégia de exportação da companhia, que cresceu cerca de 40,5% ao ano desde 2014.

No prospecto, a São Salvador informou que os recursos captados serão utilizado para realizar o pagamento das despesas e custos adicionais relacionados com a emissão e a oferta, cujo pagamento não tenha sido antecipado, reembolsado ou pago diretamente pela devedora, a constituição do fundo de despesas; e pagamento à devedora do preço de aquisição da CPR-F.

Sobre a JBS (JBSS3)

A JBS é uma multinacional de origem brasileira, reconhecida como uma das líderes globais da indústria de alimentos. Com sede na cidade de São Paulo, a companhia está presente em 15 países e conta com mais de 230 mil colaboradores.

A JBS conta com um portfólio de produtos diversificado, com opções que vão desde carnes in natura e congelados até pratos prontos para o consumo, comercializados por meio de marcas, como Friboi, 1953, Swift, Seara, Seara Gourmet, Doriana, Massa Leve, Pilgrim’s Pride, Plumrose, Primo, entre outras.

A empresa também atua com negócios correlacionados, como couros, biodiesel, colágeno, envoltórios para embutidos, higiene & limpeza, embalagens metálicas, transportes e soluções em gestão de resíduos.

O que são CRAs

Os Certificados de Recebíveis Agrícolas (CRA) são títulos de renda fixa emitidos por companhias securitizadoras. O objetivo é financiar, como o próprios nome já diz, o mercado agrícola. Estes títulos podem ser pré ou pós-fixados.

Ao investir em um CRA, você não tem um banco como intermediário. É justamente por isso que estes investimentos oferecem melhores taxas de retorno.

Vamos imaginar uma empresa que trabalha no ramo do agronegócio: uma produtora de soja, por exemplo.

Digamos que ela resolva renovar todo o seu maquinário de campo, como colheitadeiras, tratores, etc.

Ela procura um banco ou uma cooperativa de crédito e faz o seu financiamento por um determinado prazo.

O banco (ou cooperativa), para não ter que esperar até o final do período para receber o seu dinheiro de volta, emite um CRA e vende para investidores os seus créditos. Então, estes investidores receberão os juros do período.

Cabe ressaltar também que muitos dos emissores destes certificados são consideravelmente maiores que os grandes bancos e maiores até mesmo que o Fundo Garantidor de Crédito.

O que é uma securitizadora?

Securitizadoras são empresas que compram créditos e securitizam. Ou seja, transformam estes créditos em títulos para serem vendidos posteriormente a investidores.

As securitizadoras são as únicas empresas autorizadas a emitir os CRI e CRA,

Quanto rende um CRI e CRA?

Os CRIs e CRAs podem ter vários tipos de remuneração:

– Prefixada: 12% ao ano por exemplo;
– Pós-fixada: 110% do CDI por exemplo;
– Pós-fixada + taxa fixa: CDI+1,2% ao ano por exemplo;
– Inflação + taxa fixa: Tesouro IPCA+3% ao ano ou IGP-M+2% ao ano por exemplo.

Cada emissão de CRI ou CRA tem sua própria rentabilidade.

Esta depende muito da qualidade do emissor do título, da sua capacidade de honrar o pagamento, das garantias que o emissor oferece, etc.

O rendimento para o investidor de CRI e CRA é isento de impostos de renda e IOF.

Mas atenção: o ganho de capital, caso o investidor venda o titulo antecipadamente no mercado secundário, não é isento.

Sobre a segurança

Para que um CRI e um CRA seja originado é preciso ocorrer a securitização.

Para a sua realização é necessário seguir uma série de procedimentos incluindo a constituição do denominado Termo de Securitização, com os seguintes itens:

– Identificação do devedor;
– Valor nominal de cada crédito que lastreie a emissão;
– Indicação das garantias dos títulos, quando houver e;
– Identificação dos títulos emitidos.

Geralmente é instituído um regime fiduciário que garante a separação do risco do emissor, ou seja, se a securitizadora vier a quebrar, o fluxo de pagamentos para os investidores se mantém pois os recebíveis ficam separados do patrimônio da securitizadora.

Porém, mais uma vez vale ressaltar: antes de comprar um CRI ou CRA, observe o Rating (classificação de risco) do emissor dos créditos.

Porque caso os devedores dos recebíveis que compõem o lastro do CRI ou CRA não quitarem suas obrigações junto à securitizadora, o investidor poderá deixar de receber ou ter atrasos no recebimento.

Se você quer saber mais sobre o mercado de recebiveís e como investir, preencha o formulário abaixo que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato.