Coronavírus traz prejuízo para o mercado de ativos

Gabriela Brands
Profissional com graduação em Jornalismo, pós-graduação em Planejamento em Comunicação e Gestão de Crises de Imagem e em Marketing. Tem experiência sólida em Comunicação Política, Assessoria de Imprensa e Gestão de Crises.
1

Desde que os primeiros casos do coronavírus foram registrados na China a pouco mais de um mês, milhares de pessoas já foram infectadas pela doença em diferentes países. Conhecida também como pneumonia de Wuhan, a gripe asiática está trazendo prejuízos para o mercado financeiro de ativos. Ações, títulos e setores importantes da economia mundial já sentem os efeitos da doença.

Conforme o portal MarketWatch, a tensão sobre o mercado financeiro está ligada ao fato de que o coronavírus já infectou mais de 10 mil pessoas em todo mundo. Além disso, a doença provocou a primeira quarentena registrada nos EUA nos últimos 50 anos e tem sido comparada por especialistas com a síndrome respiratória aguda grave.

Os índices Dow Jones, Nasdaq e S&P já registraram as primeiras quedas associadas ao surto da doença. Em janeiro, a Dow caiu 0,7%, abaixo da média dos últimos 50 dias. Na sexta-feira (31), por exemplo, o Dow Jones Industrial Average DJIA, + 0,64%, registrou queda de 2%. Já o Nasdaq Composite Index COMP, + 1,29% recuou 1,5% e o S&P 500 1,7%.

A China é um dos maiores importadores de petróleo. Uma vez que o país é o epicentro do coronavírus, é provável que a demanda caia. Essa possibilidade já está derrubando o preço do barril. Os preços do petróleo WTI caíram quase 16% em janeiro, de acordo com dados da FactSet.

Outro setor prejudicado no mercado de ativos é o da aviação comercial. As ações da United Airlines Holdings Inc. UAL, + 0,96%, caíram 14,9% em janeiro. Ações da Delta Air Lines Inc. DAL, + 1,20% cairam 4,7% até o momento e a American Airlines Group Inc. AAL, + 1,34% das  registrou mais de 6,6% de queda. Ambas companhia interromperam seus voos para a China com a disseminação dos temores de coronavírus.