Coronavírus: saiba quais as táticas das grandes economias para evitar falências

Daniele Andrade
Jornalista formada pela Universidade Positivo, pós-graduada em Mídias Digitais. Atualmente cursa bacharel em História. Gosta de produzir reportagens sobre política tanto nacional quanto internacional, economia e tecnologia.
1

Crédito: Pixabay

Com o avanço do coronavírus, Covid-19, grandes e importantes economias do mundo ficaram em alerta para o impacto da situação. Com tantos serviços tendo de ser parados pela disseminação da doença, muitos países tomaram a frente e passaram a adotando medidas. Com o objetivo de  reduzir os problemas causados pelo vírus, e possíveis situações de falências, segundo informações do G1. Reunimos algumas atitudes tomadas pelos países que possuem grande importância devido a sua economia:

Auxílio financeiro devido ao coronavírus nos EUA

Na quarta-feira (18), o presidente norte-americano Donald Trump acionou uma lei de 1950. A qual permite intervenção comercial, com o objetivo de mobilizar as produções de origem privada para combater o coronavírus. Além disso, o governo Trump decidiu suspender as execuções hipotecárias e despejos, até o final do mês de abril.

As iniciativas emergenciais fizeram com que houvesse um aumento, no plano proposto pela Casa Branca. De injetar mais de US$ 1 trilhão na economia, segundo o G1. O projeto em questão está sendo negociado no Congresso norte-americano, em que inclui o envio de cheques. No valor de US$ 1.000, para os cidadãos mais vulneráveis diante dessa situação.

O Banco Central norte-americano anunciou que vai reduzir as taxas de juros, para quase zero e injetar liquidez no valor de US$ 700 milhões. Com destino ao mercado, para compra de títulos do tesouro e hipotecários. Além de retomar o programa de compra de dívida corporativa.

Europa

Já na Europa, o Reino Unido anunciou que vai garantir US$ 400 bilhões em empréstimos para empresas afetadas pelo coronavírus. Além de injetar bilhões, em ajuda direito e subsídios, às empresas de pequeno porte. A Espanha noticiou que vai mobilizar quase 20% do PIB, para combater os efeitos da economia gerados pela pandemia.

A França optou por colocar em prática um plano econômico de emergência, com a entrega de recursos aos trabalhadores e empresas. Além da implementação de garantias fiscais, para a realização de empréstimos e medidas para proteger as empresas.

A Itália anunciou que vai suspender o pagamento de hipotecas, vai promover auxílio financeiro às empresas afetadas, além de entregar dinheiro a trabalhadores autônomos que foram afetados. Também vai oferecer subsídios aos desempregados e suspensão de obrigações fiscais.

América Latina

Na América Latina, a Argentina anunciou aumento nos subsídios aos pobres, aposentados, mulheres desempregadas e grávidas em situações de vulnerabilidade. Além de prestação para ajuda financeira e créditos a pequenas e médias empresas. 

No México, o país pretende ajustar o orçamento do governo devido ao coronavírus. Para expandir os programas sociais, como subsídios para idosos.