Coronavírus e sanções aumentam incerteza sobre o futuro da Huawei

Daniele Andrade
Jornalista formada pela Universidade Positivo, pós-graduada em Mídias Digitais. Atualmente cursa bacharel em História. Gosta de produzir reportagens sobre política tanto nacional quanto internacional, economia e tecnologia.
1

Crédito: Reprodução/Facebook

A Huawei, empresa chinesa de telecomunicações comunicou na terça-feira (31), que as sanções norte-americanas e as consequências da pandemia vão afetar seus resultados este ano. As informações são da Agence France-Presse.

Ano passado, a Huawei registrou lucro líquido de 62,65 bilhões de iuanes (cerca de 8,04 bilhões de euros). Com um aumento de 5,6% em um ano.

Mesmo com o número expressivo de lucro, a líder mundial de tecnologia para redes de internet móvel 5G também teve problemas. O governo de Donald Trump proibiu que as empresas do país negociassem com a Huawei. 

Trump vs. Huawei

Além da competição tecnológica, a briga entre os dois países ocorreu devido a acusações. De que, a Huawei estaria espionando os Estados Unidos. 

A atitude do governo Trump, com as sanções levaram a empresa a perder pelo menos US$ 10 bilhões. De acordo com a AFP, a Casa Branca deve adotar ainda novas medidas contra a Huawei.

Em uma entrevista coletiva, o presidente do grupo, Eric Xu abordou o assunto: “Penso que o governo chinês não ficará com os braços cruzados enquanto massacram a Huawei”.

O governo norte-americano também está pressionando outros países, para que eles não utilizem os serviços da empresa chinesa. No caso do equipamento em redes 5G.

Ao ser questionado sobre essa atitude, o presidente da Huawei advertiu: “Acho que o governo chinês também tomará medidas de represália, se a caixa de Pandora for aberta. Poderemos assistir a uma destruição catastrófica da cadeia de abastecimento mundial. E, a Huawei não será a única a ficar destruída”.

Em relação a produção de 2020, a empresa prevê consequências grandes devido a pandemia do Covid-19. A maior preocupação da gigante chinesa é a demanda cair expressivamente. Mas, apesar de ter um contexto difícil a frente a empresa já vendeu 240 milhões de telefone este ano.

Novos projetos da empresa

Devido às questões conflitantes com os Estados Unidos, o grupo chinês possui novos planos para conseguir atuar em diferentes mercados. Na sexta-feira (27), a empresa apresentou um celular de gama alta.

O qual não utiliza sistema operacional do Google (Android) e possui seus próprios aplicativos. Além desta novidade, a Huawei criou seu próprio sistema operacional, chamado de HarmonyOS. Em que, será instalado de modo progressivo nos aparelhos da empresa, no caso das sanções norte-americanas.