Coronavírus: EUA registram mais de mil mortes nas últimas 24 horas

Marcelo Hailer Sanchez
Jornalista, Doutor em Ciências Sociais (PUC-SP) e Mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP). Pesquisador em Inanna (NIP-PUC-SP). Trabalhei nas redações do Mix Brasil, Revista Junior, Revista A Capa e Revista Fórum. Também tenho trabalhos publicados no Observatório da Imprensa e revista Caros Amigos. Sou co-autor do livro "O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente" (AnnaBlume).
1

Crédito: Bloomberg

O que você verá neste artigo:

No mundo

Último boletim da Organização Mundial da Saúde (OMS) informa que há mais de 1 milhão de infectados e mais de 51 mil mortes, até esse momento.

EUA

Os Estados Unidos registraram, nas últimas 24 horas, 1.169 mortes por Covid-19. Com esse número, o país ultrapassou a Itália, informa o G1.

Na manhã desta sexta-feira (03) os EUA já registravam mais de 6 mil mortes.

O avanço da pandemia já deixa estrago na economia dos EUA e provoca desemprego em massa: mais de seis milhões de pessoas pediram o seguro-desemprego. Esse número é o maior desde 1982.

Europa

No continente europeu, os países mais afetados são a Itália e a Espanha com 13,9 mil e 10 mil mortes, respectivamente.

Por conta do alto número de infectados e pelo fato de que o vírus ainda não foi contido, o governo italiano decidiu estender a quarentena até o dia 2 de maio.

A Alemanha registrou, nas últimas 24 horas, mais de mil mortes e o governo reforçou a política de quarentena. A primeira-ministra, Angela Merkel, que estava em quarentena, retomou as atividades nesta sexta-feira.

Brasil

De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil tem, até esse momento 7.910 casos confirmados e 299 mortes.

Presidente do parlamento iraniano testa positivo

O presidente do parlamento iraniano, Ali Larlyani, testou positivo para o coronavírus. O político já iniciou o tratamento e está isolado.

O Irã tem, até esse momento, mais de 50 mil infectados e 3.160 mortes.