Coronavírus derruba otimismo do consumidor nos EUA

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

A crise do coronavírus derrubou o otimismo do consumidor norte-americano com a economia.

Nesta quinta-feira, o Índice de Sentimento do Consumidor, divulgado pela Universidade de Michigan, apontou uma queda de 18,1 pontos no indicador.

O índice foi de 89,1 em março para 71 em abril. Este foi o maior declínio mensal já registrado.

Combinada com o declínio do mês passado (de 11,9), a queda de 30 pontos em dois meses foi 50% maior do que o recorde anterior, registrado em 2008.

O Índice de Condições Atuais da Economia caiu 31,3 pontos. O resultado é quase o dobro da maior queda anterior, de 16,6 pontos, estabelecida em outubro de 2008.

O Índice de Expectativas do Consumidor caiu 9,7 pontos.

De acordo com o relatório, é preciso que os consumidores estejam preparados par uma recessão longa e profunda. Isto ao invés de confiarem que “a demanda reprimida provocará uma recuperação econômica rápida, robusta e sustentada”.

A universidade alerta que novas quedas nos índices devem ser registradas nas próximas semanas.

Leia também: EUA tem 16 milhões de novos pedidos de seguro-desemprego em três semanas.