Copel (CLPE6): braço telecom é arrematado por R$ 2,39 bi em leilão

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: RODRIGO FELIX LEAL/GOVERNO PR/DIVULGAÇÃO

A Companhia Paranaense de Energia, Copel (CLPE6), informou nesta segunda-feira (09) que o Bordeaux Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia foi o vencedor da alienação de 100% do braço de telecomunicação da Copel.

Em leilão realizado na sede da B3, em São Paulo, o fundo arrematou as ações da Copel Telecom por R$ 2,395 bilhões. A oferta vencedora representa um ágio de 70,94% em relação ao valor mínimo de arrematação de R$ 1.401 bilhão. Outras três empresas ofereceram ofertas.

Na abertura dos envelopes, duas empresas ofereceram acima de R$ 2 bilhões, iniciando o leilão com ágio superior a 50%. Na disputa por viva voz entre a Bordeaux e a Algar Soluções, a diferença do valor arrematado com o mínimo previsto superou os 70%.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

O recurso arrecadado retornará ao caixa da Copel. Eles servirão para ampliar os investimentos da estatal na distribuição, transmissão e geração sustentável de energia.

Segundo a Copel, serão tomadas as providências aplicáveis às próximas etapas estabelecidas documentação do keilão. Assim, será feita a verificação da habilitação do arrematante e divulgação do resultado preliminar do leilão em 16 de novembro.

 

Sobre a Copel

A Copel possui 100% de sua tecnologia em fibra ótica e é líder deste mercado no Paraná.

A subsidiária está presente nos 399 municípios do Estado. E tem 36 mil quilômetros de cabos que levam internet de alta velocidade a 170 mil clientes.

Com a desestatização, a empresa ganha o benefício de concorrer com regras de mercado. Assim, terá mais agilidade e possibilidade de ofertar novos serviços para o cliente. Os contratos atuais da subsidiária serão respeitados, incluindo todos os firmados com o Governo do Estado, que foram contratados em concorrência pública.

Com o desinvestimento no setor de telecomunicações, a Copel passará a concentrar seus esforços nas áreas de geração, transmissão, distribuição e comercialização de energia elétrica, suas principais atividades. Assim, com esse posicionamento estratégico, a companhia está se desfazendo de negócios fora do setor elétrico.

Em agosto, a estatal já tinha se desfeito de sua participação na Sercomtel, empresa de telecomunicações que opera em Londrina. Ela também foi arrematada pelo Fundo Bordeaux.

Por fim, o próximo passo deve ser o desinvestimento na Compagás, empresa na qual a Copel detém 51% dos ativos. A distribuidora de gás canalizado conta com cerca de 47 mil clientes e 833 quilômetros de rede.