Consumo de energia elétrica deve cair 12% este ano, aponta consultoria RegE

Marcello Sigwalt
null
1

Crédito: Site Carta Capital

O consumo de energia elétrica deverá sofrer um corte de até 12% este ano, aponta a empresa de consultoria especializada RegE, com base nos impactos na economia decorrentes da pandemia global, segundo o portal G1.

Margem elástica

Ao lançar uma margem elástica – entre 5% e 12% – para tal contenção de demanda, a previsão negativa da RegE é bem pior do que a apresentada, antes, pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), segundo a qual a queda seria em torno de 2,9%.

Impacto profundo

Esse corte de demanda deverá produzir, segundo comercializadores do setor, um impacto negativo de R$ 5 bilhões, decorrente do crescimento dos pedidos de flexibilização ou renegociação de contratos para os próximos meses, além de se refletir no crescimento da inadimplência.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Mercado em queda livre

Entre os mercados mais afetados pelo ‘apagão econômico’, a consultoria RegE aponta redução significativa de consumo no mercado livre de eletricidade, em que grandes clientes industriais negociam diretamente com geradores e comercializadores.

Estabilidade ilusória

Até o final de março, a estimativa, tanto da EPE, quanto do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) indicava uma retração de 0,9% ou quase estabilidade.

Queda ‘otimista’

Mesmo diante da perspectiva de economia desacelerada, a RegE – que tem como um dos sócios um ex-diretor da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), Tiago de Barros – aposta num cenário ‘otimista’ de um recuo de 4,7% no consumo.

Simule seus rendimentos de acordo com seu potencial de investimento.

Avançando a trajetória negativa de demanda, esta passaria de otimista a moderada, na casa de 7,9%, até tombar 12,3%, nas piores previsões.

A consultoria RegE, que tem entre os sócios um ex-diretor da Aneel, Tiago de Barros, avaliou que a desaceleração da economia impactará fortemente o consumo de energia elétrica, que poderia cair 4,7% em cenário considerado ‘otimista’.

Em visão ‘moderada’, o recuo na demanda seria de 7,9%, mas que passaria a ‘pessimista’, ou um tombo de 12,3%.

Pandemia out

Caso a situação não fosse viral, o consumo, avalia a consultoria, fecharia este ano em alta de 4,5%, confirmando projeções realizadas pela EPE, ONS e CCEE em 2019.

PIB declinante

Superado o clima otimista inicial, que previa queda de 3,6% no PIB em 2020, as avaliações mais recentes variam entre um cenário ‘moderado, de -6,1%, até o pessimista, de -9,5%.

Já para analistas de mercado ouvidos pelo boletim Focus, publicado pelo Banco Central, a expectativa é de que o PIB recue 5,89% este ano, o que representa um avanço em relação às previsões da semana anterior, de 5,12%.

Teto de R$ 15,5 bi

Para evitar o colapso da atividade, o BNDES anunciou, nesta segunda-feira (25), que pretende participar em até 25% dos empréstimos emergenciais, necessários ao ‘socorro’ às distribuidoras de energia elétrica, atingidas, também, pelo efeitos pandêmicos daninhos, segundo o Estadão.

Como a ideia do BNDES é viabilizar a operação, por meio da constituição de um pool de bancos (Banco do Brasil, Bradesco, Itaú e Santander), esse percentual poderá ser reduzido.

Até o momento, ficou acertado que o BNDES participaria com R$ 3,9 bilhões, uma vez que o teto de financiamento foi fixado em R$ 15,5 bilhões.

Só em junho

Inicialmente, a previsão é que os recursos comecem a ser liberados a partir da segunda quinzena de junho.

Para que o pacote de empréstimos saia do papel, porém, será cumprido um ritual normativo, começando pela edição de uma resolução da Aneel, a leitura de seu teor, nessa terça-feira (26), em uma reunião ordinária do órgão, e a fixação do período de uma semana para a conclusão da consulta pública.

Só então, será aprovada a resolução.

A normal da agência é que vai estabelecer o teto máximo para a operação, assim o quanto caberá a cada empresa.

Road show time

Antes mesmo do encerramento das consultas públicas, o BNDES pretende iniciar um ‘road show’ a respeito da operação para instituições financeiras, o que inclui bancos de investimento nacionais e estrangeiros.

A maior competição entre os bancos, na avaliação da diretoria do BNDES, poderá reduzir sua participação na operação, o que induziria a uma baixa dos juros cobrados às empresas.

No que toca à remuneração dos empréstimos, estes estariam sujeitos a juros e spreads vinculados ao CDI (taxa interbancária de referência), que acompanha a trajetória da Selic (taxa básica de juros), atualmente em 3% a.a, mais juros de 2% a 2,5% ao ano.