Conheça a Ferbasa (FESA4) e entenda como a small cap se comporta em seu segmento

Ana Paula Schuster
Colaborador do Torcedores

A Ferbasa (FESA4) é uma empresa com atuação vertical, eletro-intensiva que possui uma grande responsabilidade socioambiental. Ela atua em produção de minérios e tem uma ótima presença no setor, conheça mais a seguir.

Apresentação da empresa Ferbasa (FESA4)

O negócio é o líder nacional na produção de ferro-ligas e a única produtora de ferro-cromo da América. A organização detém monopólio do mercado, tendo quase todas as reservas de cromitas que existem no Brasil.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Nasceu no dia 23 de fevereiro de 1961, fundada pelo engenheiro José Corgosinho de Carvalho Filho. Seu nome significa Companhia de Ferro Ligas da Bahia, sendo resumido na sigla Ferbasa (FESA4).

Atualmente a instituição é uma das 500 maiores do país e uma das 10 da melhores do estado. Tem presença mundial e oferece seus produtos a vários países, suas atividades principais hoje são:

  • Mineração;
  • Recursos florestais;
  • Metalurgia;
  • Energia renovável.

Teve um trabalho sólido no segmento e conseguiu reconhecimento por desenvolver produtos de muita qualidade. Além disso, apresenta uma forte atuação no ramo social e ambiental, o que a destaca.

História da empresa Ferbasa (FESA4)

Sua história começa com o seu fundador, que sempre representou a marca. Entre 1945 e 1947 ele ganhou uma bolsa de estudo no Rio de Janeiro. O curso era voltado para aprimorar as suas habilidades de liderança.

No período de 1949 a 1955 frequentou a Escola de Minas de Ouro Preto, onde fez engenharia. Seu primeiro emprego na área foi em 1956, na Cia C. Cambuí, depois, foi contratado para participar da construção de Brasília.

A Ferbasa (FESA4) nasceu em 1961, como uma empresa de mineração, na cidade de Abadia. Dois anos depois, conseguiu um financiamento e começou a construir sua fábrica em Pojuca.

O negócio foi destinado a produzir ferro ligas de cromo para atender a uma demanda nacional. Por isso, começou a se destacar na área que precisava exportar o material muitas vezes.

Tempos depois começou a atuar no setor de metalurgia cedendo ferro-cromo destinado a indústria siderúrgica. Assim, ampliou seus clientes e conseguiu aumentar a sua renda.

O trabalho filantrópico da empresa

Em 1975 inaugurou um desejo antigo, um projeto chamado Fundação José Carvalho. Ele tinha o propósito de oferecer educação gratuita às crianças e adolescentes carentes do nordeste. A Ferbasa (FESA4) foi reconhecida a nível nacional por esse trabalho.

Seu primeiro prédio foi um colégio técnico em Pojuca, sendo que a cidade também abrigou o segundo. Suas outras unidades foram inauguradas em Andorinha e em Entre Rios, todas no estado da Bahia.

O fundador recebeu várias condecorações pelo trabalho prestado ao país ao longo de sua vida. Ele faleceu no ano de 2015, aos 84 anos, por causas naturais.

Estratégia Ferbasa (FESA4)

As metas principais da organização são manter a qualidade dos produtos e conseguir mais eficiência na produção. Além disso, também busca reduzir aos máximos os seus custos e ampliar seus clientes.

Para chegar a esse objetivo efetuou uma técnica de processo vertical. Logo, a Ferbasa (FESA4) passou a produzir tudo que conseguiu para usar em seu produto final. Com isso passou a atuar nos seguintes segmentos:

  • Florestal;
  • Mineração;
  • Eólica;
  • Metalurgia.

Os setores foram feitos para fornecer a matéria-prima necessária para seus produtos finais. Nos últimos anos passou a criar uma imagem social e ecológica. Sendo uma empresa de mineração, a preocupação com a área ambiental é crucial para melhorar seus investidores.

Empresa na bolsa

A organização é comercializada na B3 há alguns anos e tem um faturamento anual de U$ 500 milhões. A atuação em mineração no Centro-Norte da Bahia fornece emprego a muitos trabalhadores da região.

Hoje em dia a Ferbasa (FESA4) possui 95% das reservas de cromita do Brasil. Além dos produtos do setor de ferroligas tem uma grande importância social. Dessa forma, também é responsável pela produção sustentável de carvão vegetal.

Possui 14 fornos de redução que produzem ligas de cromo e silício. Alguns de seus principais produtos são os listados a seguir:

  • Ferrocromo Alto Carbono;
  • Ferrocromo Baixo Carbono;
  • Ferrossilício Cromo;
  • Ferrossilício 75%.

Todos eles têm larga aplicação nas indústrias de bens de consumo. Não está listada na Ibovespa, mas pertence ao Índice Brasil Amplo.

As negociações na B3 se dão em um ambiente todo eletrônico, sendo seu último pregão realizado em 2009. A Ferbasa (FESA4) tem ações divididas em dois setores:

  • Ordinárias (FESA3): 29.440.000;
  • Preferenciais (FESA4): 58.880.000;
  • Total: 88.320.000.

As free float, são em grande maioria as preferenciais, enquanto as outras estão em domínio da própria empresa. Elas possuem um total de cerca de 40.158.400 ações disponíveis no mercado.

Segmento da bolsa

Sua principal atividade envolve a fabricação e a comercialização de vários tipos de ferroligas. A classificação setorial é de materiais básicos para as indústrias de siderurgia e metalurgia. Mas, atua também no segmento de mineração e reflorestamento.

Desempenho no último balanço da Ferbasa (FESA4)

Entre 2017 e 2018 a Ferbasa (FESA4) teve uma alta valorização de suas ações. Porém, desde então os ativos têm variado bastante, com altos e baixos. Em 2020 devido à crise causada pela pandemia teve uma queda considerável.

O ano começou bem com as ações fechando em R$ 20,00 o que despertava interesse. Porém, a crise econômica que surgiu pelo novo coronavírus derrubou seu preço para metade.

A queda de 50% assustou seus acionistas que passaram a vender suas partes. Com isso sua liquidez acabou aumentando e diversos big players aproveitaram para acumular investimentos.

Desempenho na crise

Como suas outras concorrentes, a Ferbasa (FESA4) teve baixas constantes por volta de 2020. Elas foram desvalorizadas por conta da crise e representaram uma forte mudança nas metas estipuladas.

O negócio começou a se recuperar no final do ano, quando restituiu um pouco de suas vendas. Logo, seu custo benefício teve uma leve recuperação, o que garantiu que os acionistas voltassem a interessar-se.

No 1T21 conseguiu ter um desempenho melhor, conseguindo quebrar recordes de valores na B3. Portanto, conseguiu um valor mais elevado do que era esperado para um curto período. O que chamou a atenção de quem espera lucrar a curto prazo.

Valorização das ações – Gráficos

Para entender melhor como a Ferbasa (FESA4) tem se comportado no mercado, os seus gráficos serão analisados. Então, continue lendo para conhecer mais sobre esses números e o que eles indicam.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo

 

No dia 1 de junho de 2021 o valor das ações era R$ 40,38. Um mês depois passou a valer R$ 44,34, um aumento de 9,81%. No meio do mês teve uma leve queda, mas nada que impactasse os bons resultados no geral.

A empresa valia R$ 19,45 no dia 4 de janeiro, então verificando em 6 meses, cresceu 127,97%. Foi o maior aumento que ocorreu na história da organização, o que chamou atenção de novos investidores.

Em um ano a Ferbasa (FESA4) subiu de R$ 19,52 para R$ 44,34. A valorização foi de 127,15%, o que significou uma pronta recuperação da crise ao longo do período. Dessa maneira, suas metas de crescimento voltaram a se tornar executáveis.

Maiores acionistas da Ferbasa (FESA4)

Hoje em dia a companhia conta com 45,83% das ações em circulação, porém, são divididas entre PNs e ONs, sendo 68,22% o primeiro caso e 1,06% o segundo. Possui cerca de 24 mil investidores, entre pessoas físicas e jurídicas, alguns estão listados a seguir.

  • Fundação José Carvalho – 50,39%;
  • Outros – 45,96%;
  • Ações Tesouraria – 3,65%.

A maioria das ações encontra-se em posse da própria empresa, o que garante o controle da Ferbasa (FESA4). O que é importante para que possa seguir as suas próprias filosofias e alcançar suas metas.

Balanço do primeiro trimestre da Ferbasa (FESA4)

O relatório do 1T21 reportou um lucro líquido de R$ 59 milhões. Isso representa um aumento de 57,3% ao último semestre de 2020. Além de uma recuperação notável sobre as crises enfrentadas nos últimos anos.

Sua receita líquida ficou em R$ 517,3 milhões, crescendo 11,5% do que o trimestre anterior. Já os custos de produtos vendidos caiu 1,5%, atendendo a uma das metas impostas pela empresa.

No final de 2020 estes custos da Ferbasa (FESA4) eram de R$ 355,3 milhões. Neste ano de 2021, aparecem na receita com a quantia de R$ 350,1 milhões.

O resultado na receita líquida aumentou por conta da alta do dólar. O que determinou o preço de seus produtos e ampliou seu volume de vendas a nível internacional. Além disso, o metal foi um material que começou a faltar no mercado, gerando muita demanda.

Destaques da empresa

A Ferbasa (FESA4) comercializou 72,1 mil toneladas de ferroligas, uma quantia menor que a do semestre anterior. Porém, o material conseguiu ser otimizado para ter um custo menor e aumentar o lucro.

O resultado positivo no último semestre mostra como a gestão tem sido assertiva e se recuperando com rapidez. Suas políticas socioambientais têm mudado o conceito sobre o setor, que é muitas vezes visto como prejudicial.

Todo o lucro obtido no último trimestre despertou interesse de muitos acionistas. O momento da Ferbasa (FESA4) é realmente o melhor na B3, mas quem deseja investir deve avaliar o mercado futuro. Isso porque muitas variáveis influenciam em sua valorização.

Se você quer conhecer mais sobre as small caps, inscreva-se no Small Caps Summit. O evento é totalmente online e gratuito, e acontece entre os dias 27 e 28 de julho, clicando aqui!