Conheça três maneiras de ter renda passiva na bolsa de valores

Ronaldo Araújo
Ex-assessor de investimentos agora atuante no marketing digital; habilidades em produção de conteúdo, copywriting e gestão de tráfego pago, com proficiência no gerenciador de negócios do Facebook e campanhas no Google Ads.
1

Crédito: Freepik/Divulgação

Quem nunca pensou por um instante ao menos na possibilidade de ganhar dinheiro sem se empenhar por isso? Estamos falando do que se chama costumeiramente de “viver de renda”. Mas você sabia que também é possível ter renda passiva na bolsa de valores?

Neste artigo, explicamos com maiores detalhes quais são as opções que proporcionam renda passiva. Lendo o texto, você conhecerá as três principais maneiras existentes. Ao final do artigo, você estará apto a escolher a forma que mais tem em comum com seus objetivos financeiros.

Acesse esse material especial para avaliar resultados, performance e dividendos dos melhores FIIs no mercado.

Não espere mais e leia agora mesmo!

Qual é o significado de renda passiva?

Muitas pessoas sonham com a “façanha” de ganhar dinheiro sem precisar efetivamente fazer algum esforço para isso. Sim, estamos falando da famosa renda passiva. Em resumo, isso nada mais é do que auferir determinado retorno sem ter que trabalhar para isso.

Você sabia que algumas das maiores oportunidades de ganhos da bolsa estão nas Small Caps? Quer saber mais sobre essas ações e como investir? 

Quem consegue atingir esse estágio pode dizer com orgulho que alcançou a independência financeira. Nesse ponto, o tempo se torna realmente livre e é possível dedicar seus a fazeres àquilo que realmente se tem vontade. 

Quer começar o dia bem-informado com as notícias que vão impactar o seu bolso? Clique aqui e assine a newsletter EQI HOJE!

Isso não quer dizer que quem viva assim não produz nada, pelo contrário. Quem tem esse padrão de vida possui liberdade para se dedicar aos projetos que bem entender.

O que pouca gente sabe é que, entre as diferentes formas de ter renda passiva, podemos citar a bolsa de valores. Ou seja, é possível ter a principal renda vindo de uma fonte variável de ganhos. 

Conhecendo os mecanismos para tal, é perfeitamente viável construir um patrimônio na bolsa de forma que uma renda permanente seja advinda desse meio de investimento.

Quais são as formas de ter renda passiva na bolsa de valores?

Quando se é detentor de um ativo negociado em bolsa de valores, tem-se o direito de recebimento de todas as bonificações existentes. Parte daí o princípio de ter renda passiva vinda da bolsa. Outro ponto que não deve ser ignorado é o potencial de valorização do ativo em questão.

A lógica é simples: se uma determinada ação retorna boas quantias aos seus possuidores, é sinal de que se trata de uma boa empresa. Assim, o valor desse ativo tende a se valorizar, pois é evidente que se trata de uma boa ação. 

Se a distribuição dos lucros é feita de forma percentual sobre a cotação no momento do pagamento de alguma bonificação, a relação tende a ser exponencial com o tempo. Logo, quanto mais o tempo passar e o investidor preservar seu patrimônio, mais dinheiro receberá. Acompanhe as principais formas de ter renda passiva na bolsa.

Aluguel de ações

O fato de um investidor ter uma carteira de ações não significa que seu investimento precise ficar estático ao longo do tempo. Existem mecanismos que permitem ter mais retorno com uma ação, e um deles é o aluguel.

Em outras palavras, quem tem ações pode alugá-las e lucrar com isso. Os interessados em alugar os ativos são chamados de tomadores. Eles o fazem para realizar operações de venda na bolsa e lucrar com uma eventual queda nos preços.

Já os detentores da ação são chamados de doadores e são remunerados pelo tempo em que a ação passou alugada para os tomadores.

Dividendos

Além do aluguel, os titulares de ações podem ser remunerados por meio da distribuição de dividendos. Frequentemente, essa é uma das principais formas de renda passiva em bolsa. Atualmente, toda empresa listada na bolsa é obrigada a distribuir no mínimo 25% do lucro líquido aos seus acionistas.

No entanto, há empresas que distribuem um percentual ainda maior.

Antes se mais nada, uma vantagem dos dividendos é que eles são isentos de imposto de renda. Isso porque a empresa distribuidora já pagou IR. Por isso, o investidor não precisaria pagar novamente o imposto.

Juros sobre capital próprio

Essa é outra forma de distribuição de recursos aos detentores de ações. Juntamente com os dividendos, são as principais formas de distribuição de proventos. Normalmente, os juros sobre capital próprio tem uma remuneração inferior aos dividendos. Além disso, não possuem obrigatoriedade prevista em lei.

Outra diferença em relação aos dividendos é que os JSCP são passíveis de pagamento de imposto de renda por quem os recebe. No entanto, a cobrança se dá de forma automática, sendo o valor deduzido na fonte antes mesmo do investidor receber a remuneração.

Remuneração de FII’s

Outra ótima opção para quem deseja viver de renda passiva são as cotas de Fundos Imobiliários. Esses fundos são donos de grandes empreendimentos por todo o país. A distribuição dos proventos também se dá por meio dos dividendos, que nos caso dos FII são advindos dos aluguéis e de outras operações que venham a dar lucro para o fundo.

Como escolher bons ativos na bolsa de valores?

Devido o alto número de empresas listadas em bolsa de valores e de Fundos Imobiliários, um investidor pode se sentir confuso no momento de montar uma carteira de ativos. No entanto, é possível contar com várias ferramentas para auxiliar nesse processo.

Como exemplo, podemos citar sites como analisedeacoes.com, no qual é possível calcular a remuneração com dividendos de acordo com a ação. Com dedicação e estudos é possível ser dono de uma carteira muito rentável, capaz de proporcionar grandes proventos ao longo de todo o ano.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, o que amplia o desafio de busca pelas melhores aplicações para multiplicá-lo.