CNI mostra queda na confiança da indústria após quatro altas

Victor Meira
Com formação em Ciências Sociais e Jornalismo, experiência em redação nas editorias de esportes, empregos, concursos, economia e política.

Crédito: Divulgação CNI (Confederação Nacional da Indústria)

Após quatro altas consecutivas, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) registrou uma queda de 5,2 pontos em setembro. Este atingiu a marca de 58 pontos. O ICEI é divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

No mês passado, o índice mostrou que todos os 30 setores industriais pesquisados seguiram confiantes no mercado.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

A pesquisa ainda, no entanto, revela que os empresários continuam confiantes. O nível continua acima da média histórica de 54 pontos, embora o otimismo esteja menos intenso que anteriormente. 

O índice varia de 0 a 100, sendo 50 pontos a linha divisória entre falta de confiança e confiança. Foram entrevistados 1.611 empresários, sendo 635 de empresas de pequeno porte, 608 de médio porte e 368 de grande porte, entre 1º e 9 de setembro.

CNI: inflação e crise hídrica afetaram índice

O gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, relata que as últimas notícias, como o aumento da inflação e a crise hídrica foram fatores determinantes para a confiança dos empresários da área da indústria cair. 

De acordo com ele, a conjunção de fatores como a aceleração da inflação e incertezas decorrentes da crise hídrica, entre outros, influenciaram negativamente a percepção das condições correntes da economia brasileira.

Além disso, estes fatores também contribuíram para afetar a confiança do empresário industrial, com explicou ele. 

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3

O índice é composto pela percepção do atual momento da indústria e pela expectativa dos empresários nos próximos seis meses. É feito a partir das condições da própria empresa e da economia. 

Em relação a economia, o índice apontou um declínio de 56,2 pontos para 47,3 pontos no Índice de Condições Atuais da economia, de agosto para setembro. Isso mostra que o empresário industrial percebe piora nas condições correntes no cenário econômico.