Confiança da Indústria tem alta em outubro, diz FGV

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

A Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgou nesta quarta-feira (21) os dados da prévia da sondagem da indústria do mês de outubro.

De acordo com a prévia, houve sinalização de avanço de 4,0 pontos do Índice de Confiança da Indústria (ICI), para 110,7 pontos.

Se o resultado for confirmado, esse será o maior valor do índice desde abril de 2011 (111,6 pontos). O resultado do ICI será divulgado oficialmente no dia 28 de outubro.

BDRs| Confira os papéis disponíveis para Investimentos

Ainda mais, alta de setembro para a prévia de outubro foi puxada principalmente pelo Índice da Situação Atual, que mede a confiança do empresário em relação ao presente e que subiu 5,9 pontos, chegando a 113,2 pontos.

O Índice de Expectativas, que mede a percepção dos empresários sobre o futuro, cresceu 2,2 pontos. Chegou a 108,1 pontos.

Por fim, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada da Indústria (Nuci) subiu 1,7 ponto percentual e chegou a 79,9%, o maior desde novembro de 2014 (80,3%). O resultado consolidado de outubro será divulgado pela FGV em 28 de outubro.

Indústria

Em setembro, 18 dos 19 segmentos industriais pesquisados registraram aumento da confiança.

“Na opinião dos empresários, a demanda estaria satisfatória. O nível de estoques está confortável e haveria expectativa de aumento de produção e do quadro pessoal no curtíssimo prazo. Esse resultado sugere que o pior da crise já foi superado e que o setor teria fôlego para continuar a apresentar resultados positivos no próximo trimestre”, afirma a economista da FGV Renata de Mello Franco.

Conforme a FGV, há, no entanto, uma preocupação do setor com relação aos próximos seis meses. De acordo com Franco, essa se deve aos programas emergenciais do governo se retirando e suas consequências para a economia.

Melhora

Semana passada, a FGV informou que o Indicador Antecedente Composto da Economia Brasileira (Iace) teve alta de 1,2% em setembro deste ano.

Com isso, o indicador chegou a 121,9 pontos, 1,9 ponto acima de fevereiro — ou seja, do período pré-pandemia no Brasil.