Confiança do empresário sobe 0,9 ponto em janeiro, maior patamar desde março de 2014

Bruno de Oliveira
Jornalista e técnico em administração e negócios.
1

Crédito: Steve Buissinne / Pixabay

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) cresceu 0,9 ponto em janeiro. Com o resultado, o indicador somou 98,0 pontos, maior patamar desde março de 2014. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (31) pela Fundação Getúlio Vargas (FGV IBRE).

O cálculo do ICE considera o otimismo dos empresários que atuam nos setores da indústria, serviços, comércio e construção.

Segundo Aloisio Campelo Jr., Superintendente de Estatísticas Públicas da FVG IBRE, “após a terceira alta consecutiva, a confiança empresarial atinge o maior nível desde antes da recessão de 2014-2016. Nos últimos meses, o ICE tem sido impulsionado pela construção e pela melhora das expectativas em relação ao futuro.”

Confiança do empresário por setor

Das áreas que compõem o ICE, a confiança do empresário ficou praticamente estável em janeiro apenas no setor de serviços (-0,1). Já o segmento industrial subiu 1,5 ponto e, portanto, voltou a atingir a neutralidade. O comércio teve aumento de 1,2 ponto. O destaque é a confiança dos empresários da construção, que expandiu 2,1 pontos, mantendo a evolução percebida desde junho de 2019.

Outros índices

O Índice da Situação Atual Empresarial (ISA-E), também divulgado hoje, recuou 0,5 ponto, totalizando, 93,5 pontos.

“Apesar da tendência favorável (apontada pelo ICE), o nível ainda baixo do índice que mede a percepção sobre a situação presente dos negócios (ISA-E) mostra que a economia ainda precisa avançar para chegar a uma situação que possa ser avaliada pelo meio empresarial como sendo de ‘normalidade’”, disse Campelo Jr.

Em contrapartida ao ISA-E, o Índice de Expectativas Empresarial (IE-E) teve avanço de 0,7 ponto. Dessa forma, o indicador somou 100,9 pontos, o maior patamar desde janeiro do ano passado.