FGV: confiança do consumidor recua em setembro, ao menor patamar desde abril

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O Índice de Confiança do Consumidor, da FGV, caiu 6,5 pontos em setembro, para 75,3 pontos, menor patamar desde abril de 2021 (72,1 pontos). Em médias móveis trimestrais, o índice caiu 1,9 ponto, para 79,8 pontos.

“A confiança dos consumidores brasileiros caiu expressivamente em setembro, confirmando a interrupção da tendência de recuperação iniciada em abril, após a 2ª onda de Covid. A queda foi determinada pela combinação de fatores que já vinham afetando a confiança em meses anteriores, como a inflação e desemprego elevados, e de novos fatores, como o risco de crise energética e o aumento da incerteza econômica e política com impacto mais acentuado sobre as expectativas em relação aos próximos meses”, afirma Viviane Seda Bittencourt, Coordenadora das Sondagens.

O pessimismo é maior entre as famílias de menor poder aquisitivo – cujas expectativas em relação à evolução da situação econômica geral são as piores desde abril de 2016 – mas é bastante disseminado entre todas as faixas de renda, ela explica.

Em setembro, houve piora tanto na percepção dos consumidores sobre as expectativas em relação aos próximos meses e quanto em relação à situação atual. O Índice de Situação Atual cedeu 1 ponto no mês, para 68,8 pontos, menor nível desde maio passado (68,7), enquanto o Índice de Expectativas recuou 9,8 pontos, para 81,1 pontos, menor nível desde abril de 2021 (79,2 pontos).

Confiança do consumidor

Reprodução/FGV