Concorrência para o bitcoin: China pensa em ter yuan digital

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O aumento do preço do bitcoin pode estar aumentando o interesse de a China criar o yuan digital, diz o banco central chinês.

Reportagem da CNBC mostra que mesmo que o bitcoin seja proibido na China, a opção de criar uma moeda digital na segunda maior economia mundial pode estar próxima.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

O yuan digital da China é um exemplo de moeda digital do banco central (CBDC) que visa substituir parte do dinheiro em circulação.

O Banco Popular da China vê isso como uma forma de antecipar pagamentos sem dinheiro. É efetivamente uma versão digital da moeda fiduciária. O banco central trabalha em uma moeda digital desde 2014.

Wang Xin, diretor do departamento de pesquisa do Banco Popular, disse que o interesse do mercado no yuan digital é “muito forte e todos estão prestando muita atenção”.

Outras moedas digitais

Além da China, vários bancos centrais no mundo – incluindo Japão, Reino Unido, Suécia e Suíça – estão explorando a emissão de suas próprias moedas digitais. Mas na China o projeto está muito mais avançado.

“Por outro lado, esse (interesse) também pode estar relacionado ao grande aumento no preço do bitcoin”, disse Wang.

O preço do bitcoin atingiu repetidamente níveis recordes nos últimos meses. Só neste ano, mais do que dobrou de preço.

Yuan digital da China não é como o bitcoin

Mas haverá diferenças entre o yuan digital e o bitcoin.

O bitcoin é uma criptomoeda descentralizada, o que significa que não tem autoridade central para controlá-lo e também funciona com uma tecnologia chamada blockchain. Sobre o yuan digital, ainda não está claro no momento em que será baseado.

Nos últimos anos as autoridades chinesas têm reprimido o bitcoin no país.

Em 2017, Pequim proibiu as ofertas iniciais de moedas, uma forma de emitir novos tokens digitais e arrecadar dinheiro. O governo também reprimiu empresas envolvidas em operações de criptomoeda, como bolsas.

No mês passado, a região da Mongólia proibiu novos projetos de mineração de criptomoedas em um esforço para limpar seu consumo de energia.

Por fim, até agora, o PBOC não deu um cronograma para o lançamento nacional do yuan digital. Mas realizou uma série de projetos-piloto.

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3