Concessões de saneamento vão testar apetite do investidor, diz jornal

Osni Alves
Jornalista (2007); Especializado em Comunicação Corporativa e RP (INPG, 2011); Extensão em Economia (UFRJ, 2013); Passou por redações de SC, RJ e BH (oalvesj@gmail.com).
1

Foto: Mesmo com pandemia, vendas de imóveis caem apenas 2,2% no primeiro semestre

Os investidores estão de olho nas concessões que devem entrar em vigor no país a partir de setembro, a exemplo da que ocorrerá no segmento de saneamento.

Isso porque para acelerar obras por todo o país, o governo promoverá leilões tanto para concessões quanto para parcerias público-privadas (PPP).

Levantamento do Estadão mostra que o pontapé inicial começará por Maceió. As obras previstas para a região metropolitana demandam R$ 2,6 bilhões em investimentos.

BDRs| Confira os papéis disponíveis para Investimentos

Já no entorno de Cariacica, no Espírito Santo, os investimentos projetados giram em torno de R$ 580 milhões.

Segundo o jornal, o PPP Sanesul, em Mato Grosso do Sul, demandará R$ 3,8 bilhões, enquanto o PPP de dessalinização de Fortaleza pede R$ 500 milhões, em média.

Na prática, significa dizer que esses empreendimentos serão um termômetro do interesse dos investidores – que vivem hoje num cenário de grandes transformações do ponto de vista social e ambiental.

Superintendente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Cleverson Aroeira da Silva disse que há uma grande movimentação no mercado, seja pela concessão de Alagoas ou pela Cedae (RJ), que ainda não tem data para o leilão.

Ao Estadão, ele disse que o banco de fomento está tendo papel fundamental na modelagem dos projetos a serem licitados.

“Hoje o banco tem, em carteira, R$ 50 bilhões em projetos, envolvendo oito Estados brasileiros, e está em conversas com outros três para iniciar estudos”, frisou.

Concessões na área do saneamento despertam o apetite do investidor

Regularidade no lançamento de licitações

De acordo com Silva, nos próximos anos haverá uma regularidade no lançamento de licitações, o que é muito importante para garantir o interesse de grandes investidores.

Já com a aprovação do novo marco regulatório, empresas de outros setores começaram a estudar possibilidades em saneamento, como é o caso das companhias CCR (concessões de transporte) e Equatorial (energia elétrica) e dos fundos de investimento Vinci Partners e Pátria.

Presidente da BF Capital, Renato Sucupira destacou que o setor é a melhor alternativa de investimento dentro da infraestrutura.

“Não tenho dúvida de que haverá grande concorrência nas licitações”, elencou.

A gestora Pátria, por sua vez, está de olho nas oportunidades que o novo marco regulatório trará para o setor.

A asset tem, neste momento, uma equipe avaliando a nova regulamentação, licitações e o modelo de negócio de cada projeto.

Cofundador e sócio da Pátria, Otavio Castello Branco disse que a empresa tem investimentos em soluções ambientais e num projeto de dessalinização no Chile.

Entretanto, frisou, a gestora não investiu em saneamento no Brasil, por enquanto, por mera falta de oportunidade.

A fala do executivo mostra o grande interesse dos investidores pelo segmento. “Já avaliamos aquisições no passado, mas sempre esbarramos em alguns entraves, como a falta de legislação.” Mas agora, diz ele, os ventos mudaram com o novo marco regulatório.

Concessões na área do saneamento despertam o apetite do investidor

Eles vão de parceria

De acordo com o Estadão, nesse primeiro momento a expectativa do mercado é que os novos investidores, sobretudo o financeiro (como fundos de investimento), façam parceria com outras empresas que já estão no setor.

Isso porque algumas licitações exigem atestação técnica, afirma o diretor executivo da Associação Brasileira das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto (Abcon), Percy Soares Neto.

Ele destaca ainda que alguns ativos são tão grandes que exigirão uma estrutura de capital reforçada.

É o caso dos serviços de água e esgoto do Rio, hoje administrados pela Cedae. O BNDES espera lançar o edital de licitação em outubro e trabalha para fazer um leilão até o fim deste ano.

Pelo tamanho do investimento, de R$ 33,6 bilhões, a concessão será feita em quatro lotes. O ativo é um dos mais cobiçados no mercado, especialmente pelos fundos de investimentos.

Cedae, no Rio

Presidente e cofundador da gestora IG4, acionista da Iguá (empresa de saneamento), Paulo Mattos disse que o novo marco regulatório trará grandes avanços para a população e muitas oportunidades para investidores.

Também que a pressão ambiental em curso no mundo será positivo para o setor, que terá mais abertura no mercado de capitais.

Ele cita como exemplo a emissão de debêntures que a Iguá acaba de fazer em plena pandemia da Covid-19.

A empresa conseguiu no mercado quase R$ 900 milhões para investir na infraestrutura de saneamento em suas concessões de Cuiabá e Paranaguá, além de refinanciar a dívida.

“Esse mercado para capitais financeiros vai bombar. Todos querem ter um selo de qualidade.”