Conab projeta queda na produção (e no preço) do arroz

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou nesta quinta (11) que o Brasil deve ter uma pequena queda na produção de arroz na safra 2020/2021.

Segundo a Conab, a previsão é que o total da safra produzida chegue a 10,935 toneladas do produto, 2,22% menos do que a safra passada, mas 0,28% superior à projetada em janeiro.

O órgão divulgou que o volume, mesmo menor, deve ser suficiente para abastecer o consumo interno, que é de 10,8 milhões de toneladas em média.

Análises e Resumos do mercado financeiro com leituras de 5 minutos. Conheça a EQI HOJE

Queda no preço? Conab responde

O 5º Levantamento da Safra de Grãos 2020/21 da Conab também respondeu a uma pergunta que, certamente, boa parte da população brasileira está curiosa pela resposta. O preço do arroz vai cair?

De acordo com o órgão, a expectativa é de queda, algo que seria bem visto no mercado, depois da disparada registrada em 2020.

Segundo o superintendente de gestão da oferta da Conab, Allan Silveira dos Santos, a queda de preços vem ocorrendo há três meses e pode chegar ao consumidor.

“Esse reflexo de preço tem a questão sazonal. A gente sabe que agora vai se intensificar a colheita de arroz. Então nesse período do ano, normalmente se tem um preço de arroz um pouco menos elevado”, comenta Allan .

A previsão é de alta nos estoques, que podem crescer até 8,46%, e alcançar 1,731 milhão de toneladas até dezembro deste ano.

Produção total de grãos

Se a produção de arroz deve cair um pouco, o mesmo não se aplica à somatória dos grãos.

Segundo a Conab, a produção total de grãos e cereais chegará a 268,3 milhões de toneladas.

Esse é um número recorde, e 4,4% maior do que o da safra 2019/2020.

Feijão

Companheiro inseparável do arroz, o feijão deverá fechar a safra em alta.

Segundo a Conab, a produção já cresceu 3,32% de janeiro para fevereiro, alcançando 3,250 milhões de toneladas, e superando em 0,87% a colheita passada.

O consumo, por outro lado, pode recuar 3,17%, fechando a safra em 3,050 milhões de toneladas.