Como o dólar vem ajudando o desempenho dos BDRs?

Ronaldo Araújo
Engenheiro e Agente Autônomo de Investimentos, hoje me dedico a divulgar ensinamentos sobre como funciona a Previdência Privada. Acredito que com mais conhecimento é possível fazer melhores escolhas para a formação do patrimônio de longo prazo. Para saber mais acesse www.ronaldoaraujo.com.br
1

Faz pouco mais de um ano que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) liberou o investimento em BDRs – Brazilian Depositary Receipts – para investidores em geral. E é possível constatar o sucesso da decisão.

Em apenas um ano, o número de pessoas aplicando nessa modalidade saltou mais de 1.400%. Com a variação cambial favorecendo o dólar, o investimento gera ainda mais retorno.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Este artigo mostra de que forma isso é possível. Ao ler o texto, você conhecerá melhor o que são os BDRs. Entenderá quais são as diferenças entre investir por esse instrumento financeiro ou diretamente em ações de empresas norte-americanas. Por fim, ficará claro porque uma ação pode apresentar comportamento diferente do seu respectivo BDR.

Siga no texto e aproveite a leitura!

O que são BDRs?

A sigla em si quer dizer Brazilian Depositary Receipt e em tradução livre poderia ser tido como Certificado de Depósito Brasileiro.

Os BDRs são certificados de investimentos negociados na bolsa de valores brasileira, a B3, mas com lastro em ativos internacionais.

Diferentemente do que se pode imaginar, um BDR não representa necessariamente ações de empresas estrangeiras. Podem existir BDRs de qualquer ativo internacional, incluindo títulos de renda fixa emitidos por empresas privadas (crédito privado) e ETFs, os Exchange Traded Founds. No entanto, os BDRs mais conhecidos e negociados atualmente na B3 são de ações.

A emissão de um BDR é feita por uma instituição depositária no Brasil. O mais curioso é que a empresa alvo das ações referentes à emissão do BDR pode participar ou não do processo. Se não participar, o papel é considerado não patrocinado e é classificado como nível 1. Já se a empresa participar, o BDR será patrocinado e pode ser de nível 1, 2 ou 3.

É melhor investir em BDR no Brasil ou comprar ações de empresas americanas nos EUA?

A resposta a essa pergunta é aquela que a maioria das pessoas não gosta: depende. Isso ocorre porque é preciso analisar as diferenças entre as duas modalidades de investimento e só então decidir qual atende melhor às expectativas do investidor. Dessa forma, não existe resposta única e cada um precisa avaliar o que é melhor para si.

Intermediação

Para executar as operações de compra e venda tanto de um BDR no Brasil quanto de uma ação em uma bolsa de valores americana será preciso ser intermediado por uma instituição financeira. Como se trata de uma negociação em mercados de capitais, o investidor terá a intermediação feita obrigatoriamente por uma corretora de valores.

Se o investimento for feito em um BDR, basta ter conta em alguma corretora brasileira. O procedimento de abertura de conta é rápido e simples e os ativos são negociados na própria B3. Basta enviar a ordem via home broker, digitando o código do ativo correspondente e pronto, a operação estará feita.

Já para comprar ações de empresas americanas diretamente em alguma bolsa de valores por lá, o procedimento pode ser um pouco mais complicado.

Nesse caso, é preciso ser intermediado por uma corretora de lá e para abrir conta é necessário se submeter à burocracia exigida. Após feito esse processo, basta fazer uma remessa para a conversão da moeda e o investidor estará apto a fazer a aplicação.

Tributação

Outro ponto relevante na decisão entre investir em BDRs ou diretamente nas ações no exterior é analisar a tributação incidente nos dois tipos de operação.

No caso de haver ganhos de capital (que é o lucro obtido na compra por um preço menor e venda por um preço maior), a apuração dos tributos ocorre de forma diferente.

No caso do BDR, basta fazer a apuração do valor tido como lucro e pagar 15% de imposto. Já nas negociações diretas com ações no estrangeiro, a complexidade é um pouco maior.

É necessário preencher um carnê leão mensalmente e ele deve refletir tanto a valorização do ativo quanto os reflexos decorridos de uma possível valorização cambial.

Já em relação ao recebimento de algum provento, a dinâmica é a mesma para as duas situações: nos EUA, o imposto incidente sobre o recebimento de dividendos é de 30%. No caso dos BDRs, há um desconto adicional que varia entre 3% e 5% cobrados pela instituição depositária.

Câmbio

Por fim, é preciso considerar a necessidade de fazer a conversão da moeda de real para dólar para quem quiser investir diretamente nas ações em solo americano. Existem taxas cobradas para fazer a transação e isso deve ser contabilizado no investimento.

Já para quem decide investir via BDR, não há nenhuma preocupação quanto a isso. A consideração em relação ao câmbio nesse caso fica por conta do reflexo de sua variação na própria cotação do BDR.

Por que existem diferenças entre o comportamento da ação e de seu respectivo BDR?

Essa é uma pergunta bastante válida e que precisa ser entendida antes de realizar algum investimento em BDR. Como eles representam (em sua maioria) o desempenho de ações cotadas em dólar, a variação dessa moeda também impactará no desempenho do papel.

Por exemplo: se um determinado BDR valorizar 10% e o dólar valorizar 5%, o desempenho total do investimento será de 15% no período. No entanto, o contrário também é válido. Se o papel valorizar 10% e o câmbio desvalorizar 5%, o investidor verá sua aplicação render apenas 5%.

Mas a situação atual vem favorecendo os BDRs, na verdade. A razão disso é que desde o final de junho de 2021 o dólar vem ganhando valor e somente nos últimos dias arrefeceu um pouco a alta. No acumulado, o saldo é positivo para a maioria dos BDRs listados na B3, conforme podemos ver na cotação do BDR da Netflix a seguir.

Entre a cotação mínima de R$ 50 em junho de 2021 e a máxima de R$ 77 em novembro do mesmo ano, o papel valorizou 54%.

No entanto, as ações da empresa listadas na Nasdaq tiveram uma valorização menor, de 38%. Saíram de US$ 490 para US$ 690 no mesmo período, conforme pode ser visto abaixo.

Investir em BDR ou diretamente na ação de uma empresa na bolsa americana deve ser uma escolha de cada investidor. Há prós e contras (como tudo na vida) e cabe a cada um fazer a decisão.

Independente da escolha, o risco cambial precisa ser considerado. Ao mesmo tempo que representa uma diversificação da carteira, também apresenta um risco adicional por conta de uma possível desvalorização da moeda. No entanto, uma alta na cotação dólar sempre favorece esse tipo de investimento.