Saiba como a nova Selic pode afetar os seus investimentos

Weslley A. Santos
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Reprodução / Luiz Felipe Kessler / Seu Crédito Digital

Na última quarta-feira (11), pela quarta vez em 2019,  o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) cortou a taxa básica de juros e, agora, a nova Selic é de 4,5% ao ano.

O índice atual pode afetar negativamente os seus investimentos e, para evitar isso, é importante saber como driblar essa baixa ou tirar proveito dela.

Perfil de investidor

Primeiramente, é importantíssimo que saiba o seu perfil de investidor, pois para cada tipo de investidor haverá uma solução mais adequada.

Desse modo, as pessoas que possuem sua carteira composta somente por rendimentos de renda fixa, ou seja, pessoas de perfil conservador, tendem a sofrer impactos negativos com essa baixa.

Por outro lado, investidores de perfil agressivo ou moderado podem tem ótimos benefícios com a baixa, principalmente porque ela beneficia outros investimentos que estão em alta.

Em suma, é de extrema importância que saiba o seu perfil de investidor para saber como agir da melhor maneira possível frente a essa nova queda, pois ela pode ser, inclusive, uma boa coisa.

Principais investimentos afetados pela Selic

Com a queda da taxa básica de juros, alguns investimentos e setores do mercado se beneficiam. Por outro lado, outros são diretamente prejudicados.

Nesse sentido, veja quais são os principais investimentos afetados pela taxa Selic, seja positivamente ou não, e como são afetados.

Tesouro Direto Selic

O Tesouro Direto Selic é um investimento muito utilizado para reserva de emergência, devido a sua alta taxa de liquidez e segurança.

Contudo, o seu próprio nome já revela como ele será afetado, ou seja, esse título do tesouro é diretamente influenciado pela taxa Selic, pois ele renderá quase o valor da taxa.

Sendo assim, é errado dizer que o tesouro Selic rende 100% da taxa Selic, pois ao replicar essa falsa fala esquece-se dos tributos incidentes, isto é, taxa de custódia, imposto de renda, taxa de administração e imposto sobre operações financeiras.

Logo, essas taxas seriam reduzidas do “valor total da Selic”, no fim. Portanto, com a queda de 0,50% pontos percentuais, o Tesouro Selic passa a render menos 0,50%, isto é, 4,50%.

Investimentos atrelados ao CDI

O Certificado de Depósito Interbancário (CDI) costuma ficar muito próximo da taxa Selic e sofrer com suas alterações.

Desse modo, é de se esperar que os investimentos atrelados ao CDI tenham uma rentabilidade um pouco reduzida, mas ainda podem ser uma excelente opção.

Os principais ativos atrelados ao CDI são os Certificados de Depósitos Bancários (CDBs), que geralmente rendem alguma porcentagem do CDI.

Neste ponto, tome cuidado. Grandes bancos tendem a oferecer investimentos que atingem no máximo 100% do CDI e , com taxas embutidas, esses não serão rentáveis e terão rendimento inferior à poupança.

Contudo, há bancos que emitem CDBs com rentabilidades ainda superiores ao CDI, ou seja, com rentabilidade acima de 100% do CDI, esses, a depender das taxas que estiverem embutidas, podem vir a ser uma excelente nova opção.

Poupança

A poupança não deveria ser considerada investimento, pois ela rende 70% da taxa Selic + a taxa referencial (TR), que está em 0%.

Dessa forma, o corte na taxa Selic é simultaneamente um corte no rendimento da Poupança. Nesse sentido, a poupança é uma aplicação que, embora esteja disponível em diversos bancos como se a eles pertencessem, possui regras pré-definidas que devem ser seguidas.

Em outros palavras, a poupança renderá o mesmo valor, independentemente do banco, 70% da taxa Selic acrescido da taxa referencial, que está em zero.

Por fim, com a Selic em 5% ao ano, a poupança que rendia o 3,5% ao ano, passará a “render” 3,15% ao ano (70% de 4,50%).

Vale salientar que não há mais rendimento real da poupança, a inflação está em 3,27% ao ano e há previsões de que ela atinga 3,60% até dezembro de 2020, ou seja, a inflação (IPCA) já está superando a taxa de rendimento da poupança.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

De modo prático, isso significa que ao deixar seu dinheiro na poupança, atualmente, você estará perdendo 0,12% ao ano, e não está tendo ganho algum, pois com seu dinheiro abaixo da inflação não há rendimento real.

Em soma, caso a inflação aumento como está previsto, o rendimento da poupança ficará ainda mais negativo.

Fundos de investimento imobiliários

Os Fundos de Investimento Imobiliários são os principais investimentos de destaque com a queda da taxa básica de juros.

Como explicado em outros artigos do EQI, existem dois tipos de fundos imobiliários, basicamente. Assim, há fundos de papel e fundo de tijolo.

Os fundos de papel tendem a sofrer com esse corte da taxa Selic, pois possuem grande parte de seus ativos voltados para renda fixa.

Por outro lado, os fundos de tijolo, isto é, aqueles fundos que possuem imóveis físicos ou investem em imóveis físicos tendem a se valorizar bastante.

Dessa maneira, essa valorização ocorre porque a taxa Selic influência diretamente em fatores como o financiamento imobiliário, que passe a ser mais “barato”, eis um dos porquês de ser a taxa básica de juros.

Entretanto, vale lembrar que as cotas dos FIIs são negociadas na bolsa de valores, portanto são investimentos de renda variável que podem não se adequar a investidores extremamente conservadores.

Procure um bom assessor, como o Eu Quero Investir.

Setores que serão afetados

A queda da Selic não nos traz prejuízos e ganhos somente nos investimentos, há diversos setores que serão diretamente afetados.

Um excelente exemplo, nesse sentido, é o juros de cheque especial e o financiamento imobiliário que tendem a ser reduzidos, assim como a Caixa Econômica Federal o fez no dia seguinte ao corte.

Sendo assim, essa dica é válida principalmente para quem tem financiamentos um pouco mais antigos, houve um tempo não muito distante em que a Selic superava os 10% anuais.

Para quem tem financiamentos ou dívidas

Dessa forma, caso tenha feito algum tipo de financiamento nesse período e o pague até os dias de hoje, saiba que você tem direito a pagar juros menores.

Para isso, você pode procurar alguma outra instituição bancária e apresentar a sua situação, com o extrato de seu financiamento em mãos. Em conseguinte, basta explicar o seu financiamento, a taxa de base de juros do período e facilmente o outro banco irá lhe oferecer uma opção com juros menores.

Em seguida, quando tiver essa proposta em mãos, negocie com seu banco de origem, diga que um outro banco x te ofereceu tal oportunidade e analise se te oferecem uma outra ainda melhor.

Caso ofereçam, aceite. Se não oferecerem, mude! Com toda certeza fará uma grande economia e se beneficiará positivamente dessa queda, nesse caso.

Investimentos de renda variável

Apesar de não terem a mesma segurança proposta pela maior parte dos investimentos de renda fixa, agora os investimentos de renda variável tornam-se ainda mais interessantes, principalmente por sua rentabilidade.

Nessa perspectiva, investimentos já citados como os fundos imobiliários são opções que podem ser mais seguras se feitas com uma boa assessoria.

Além disso, investir em ações e fundos de investimentos, por exemplo, também poderá lhe trazer enormes recompensas no atual cenário.

Mas atenção: só execute procedimentos em renda variável com o devido conhecimento ou assessoramento, pois é possível perder muito dinheiro na bolsa de valores.

O que fazer?

Esse último corte do ano feito na taxa preocupa muitos investidores, principalmente iniciantes, mas, em primeiro lugar, é preciso ter calma.

Como demonstrado, há boas consequências da queda da taxa Selic, que beneficiam até mesmo os investidores que mais sofrem com seu corte: os conservadores.

Nesse sentido, aquele investidor de perfil conservador terá, de modo simples, duas opções:

  • Arriscar-se um pouco mais para obter um rendimento um pouco mais elevado
  • Ter rendimentos um pouco menores e brigar com a inflação

Quando se pensa em se arriscar, o primeiro pensamento que costuma vir é o da chance de dar errado.

Entretanto, investimentos não são uma decisão baseada em cara ou coroa, requer estudo, conhecimento, isto é, com as informações corretas ou um excelente assessor, é possível obter uma boa rentabilidade sem abrir mão da segurança.

Considerações finais

Falar sobre a taxa Selic é extremamente complicado, pois é um assunto extremamente extenso. Porém, não há porque se preocupar, a equipe do EQI irá se empenhar para entregar o melhor possível para auxiliar nesse processo de transição que o país vem passando.

Fique de olho nas notícias do site, pesquise bem antes de investir e não tome decisões precipitadas, como resgatar o dinheiro do tesouro Selic e colocar na poupança achando que irá render mais, não perca dinheiro.

Sua carteira de investimentos está preparada para aproveitar a retomada de crescimento do Brasil? Essa pode ser a oportunidade da sua vida!

Deixe seus dados abaixo e nossa equipe entrará em contato para lhe ajudar.

Ou se preferir, ligue direto para 4007-2374.