Como investir com IPCA em tendência de queda?

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Instagram

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) indica que a inflação está em tendência de queda. Neste cenário, quais as melhores opções de investimento?

Para Paulo Filipe de Souza, assessor de investimentos da Eu Quero Investir, ativos atrelados ao IPCA agora deixam de ser tão vantajosos. Mas há outras boas oportunidades no mercado.

IPCA em queda

O Instituto Nacional de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quinta-feira (9), o IPCA, considerado o índice oficial de inflação do país.

O resultado, com variação de 0,07%, capta ainda pouco da crise decorrente da pandemia de coronavírus, mas já indica queda.

Este foi o menor resultado para um mês de março desde o início do Plano Real (1994), e ficou 0,18 ponto percentual abaixo da taxa de fevereiro (0,25%).

Para Souza, assessor de investimentos da Eu Quero Investir, o resultado é condizente com as expectativas do mercado. “Nas últimas pesquisas do Boletim Focus, o mercado já demonstrava que uma queda na inflação era esperada”, afirma.

“Por conta da baixa demanda, graças à quarentena, as pessoas estão gastando menos, consumindo menos. Consequentemente, as empresas estão baixando os preços para conseguir vender”, explica.

Na sua opinião, os indicadores podem sugerir, em um primeiro momento, um aumento específico nos itens de supermercado. Isto se dá por conta da demanda maior da quarentena, com as pessoas consumindo dentro de casa.

De acordo com os resultados do estudo para os preços do grupo alimentos e bebidas, pode-se concluir que comer e beber em casa ficou mesmo mais caro. Estes itens aceleraram de 0,11% em fevereiro para 1,13% em março, sendo que a alimentação no domicílio cresceu 1,40%.

“Os números sugerem que as pessoas estão comprando mais para se alimentar em casa, o que indica que não estão saindo para comer”, afirmou o gerente da pesquisa do IBGE, Pedro Kislanov.

Mas, no geral, a tendência do IPCA será de queda. “Até o final do ano, a tendência é que a inflação caia bem”, diz Souza, da Eu Quero Investir.

Mas como fica o investidor?

Souza recomenda aos investidores atenção à inflação no cenário de crise. Isto porque, se ela estiver controlada e abaixo da meta do Banco Central, abre brecha para novos cortes de juros.

“O Boletim Focus já vem projetando este cenário. Estamos com a Selic (taxa básica de juros) a 3,75%, mas já tem gente cogitando uma redução para 3,25%”, afirma. Em cenário de inflação e Selic baixas, os investimentos atrelados ao IPCA deixam de ser vantajosos.

Para o atual cenário, ele aponta boas oportunidades em ações para os perfis mais agressivos, fundos imobiliários para os moderados, e Tesouro Direto para os conservadores.

Leia também: IPCA varia 0,07% em março, menor resultado do mês desde o Plano Real