Comércio varejista cresce 8% em junho, mas semestre é o pior em quatro anos

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Flickr

O comércio varejista no Brasil cresceu 8% em junho, ante 14,4% de maio. A projeção do mercado era por leitura menor, de 5,4%.

O resultado foi divulgado na Pesquisa Mensal do Comércio, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A média móvel trimestral cresceu 0,9% no trimestre encerrado em junho. Na série sem ajuste sazonal, o comércio varejista cresceu 0,5% na comparação com o mesmo mês do ano passado. Já no acumulado dos últimos 12 meses o crescimento foi de 0,1%.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Apesar dos avanços em maio e junho, o varejo fechou o semestre com queda de 3,1% na comparação com o primeiro semestre de 2019. O resultado semestral é o menor desde o segundo semestre de 2016 (quando registrou queda de 5,6%).

“Os resultados positivos eram esperados porque viemos de uma base de comparação muito baixa, que foi o mês de abril (-17%). Esse crescimento, então, foi praticamente generalizado, distribuído em quase todas as atividades”, afirma o gerente da pesquisa, Cristiano Santos.

Ele salienta que, desde o início da pandemia de coronavírus, em março, o país vem batendo muitos recordes, tanto positivos quanto negativos. “Os números estão muito voláteis”, avalia.

comércio varejista

Reprodução/IBGE

Comércio varejista ampliado cresce 12,6%

No comércio varejista ampliado, que inclui veículos, motos, partes e peças e material de construção, o volume de vendas cresceu 12,6% em relação a maio, enquanto a média móvel do trimestre foi 3,9%. Em relação a junho de 2019, o comércio varejista ampliado recuou 0,9%, a quarta taxa negativa. O acumulado nos últimos 12 meses foi de -1,3%.